Cresce idade em que mulheres viram mães em São Paulo

Por Metro Jornal

Mãe de primeira viagem com uma filha de dois meses, a assistente administrativa Natália Coelho, 34 anos, disse que a gravidez depois dos 30 foi planejada.

“Eu escolhi ter filhos depois dos 30 anos e percebo que a maioria das minhas amigas está tendo ou planejando agora, aos 34,  35 anos”, disse. “No tempo de nossos pais, era mais comum ter filhos mais cedo.”

Essa tendência que Natália observou em seu círculo de amizades foi confirmada por dados divulgados ontem pela Fundação Seade: as moradoras da capital e da Grande São Paulo estão se tornando mães cada vez mais tarde.

Os números compilados pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados a partir dos registros oficiais mostram que, em 2018, as mulheres que tiveram filhos tinham em média 28,8 anos na Grande São Paulo e 29,1 na capital. No início do século, em 2000, essas idades eram 26,2 e 26,4 anos, respectivamente.

Para a demógrafa da Seade Lúcia Mayumi Yazaki, 59 anos, por trás dessa tendência de aumento na idade, já consolidada está, provavelmente, o fato de as mulheres estarem dando prioridade a outros aspectos, como continuar estudando e procurar trabalho. “Criar um filho não é gratuito, precisa ter uma situação confortável se quiser dar uma boa educação, saúde, lazer, boas condições de vida para a criança”, afirmou.

A demógrafa considera que o avanço de 2,5 anos na idade média em 18 anos foi muito rápido e que, em algum momento, ela vai estabilizar. “Até por causa dos fatores biológicos, de idade reprodutiva da mulher.”  

Loading...
Revisa el siguiente artículo