Rostos estampados nas pilastras do Minhocão trazem a diversidade de São Paulo

Por Metro Jornal

O paulistano está acostumado a andar rápido e com pressa, sem reparar muito nos detalhes da cidade e nas pessoas que estão no seu caminho. Esse é o problema que a fotógrafa Raquel Brust tenta “resolver” com sua exposição temporária de fotografias gigantes de rostos de pessoas. A artista busca “humanizar” as estruturas de concreto das pilastras que sustentam o elevado Presidente João Goulart, o Minhocão, na rua Amaral Gurgel (centro).

A exposição – que integra o projeto Giganto – traz cliques de rostos (que serão estampados em 29 mega painéis de seis metros de altura e três de largura) escolhidos a dedo pela artista para representar o tema escolhido: a diversidade. O objetivo é despertar empatia,  tolerância e criar uma memória afetiva com a cidade.

Rostos como a da atleta cadeirante de rúgbi Bruna Marsanovic, o líder indígena Davi Karai Popygua, e a youtuber drag Rita Von Hunty, serão expostos para trazer inclusão de grupos marginalizados.

Exposição no Minhocão Operários aplicam foto ampliada de personagem em pilastra do Minhocão / João Alvarez/Fotoarena/Folhapres

Também serão reveladas as faces de Leonardo Gleison Ferreira, deficiente visual, Wallie Ruy, atriz e mulher trans, Akin Cavalcante, ator negro com vitiligo no rosto e Preta Ferreira, líder do movimento pró-moradia.

A intervenção não tem data certa para acabar, dependendo da “recepção” dos moradores e frequentadores do local.

Já é a 10ª edição do projeto Giganto, sendo esta segunda vez  que é realizada no Minhocão. A primeira vez da iniciativa na região foi em 2013 e contou com 20 painéis que traziam retratos de moradores de rua que buscam abrigo no próprio elevado.

Este ano, o Giganto também integra uma nova etapa no Museu de Arte na Rua, da Secretaria Municipal de Cultural, que prevê trazer intervenções artísticas para diversas regiões da cidade.

Loading...
Revisa el siguiente artículo