Desmatamento na Amazônia cresceu 212% em outubro, diz Imazon

Por Ansa

O índice de desmatamento na Amazônia Legal cresceu 212% no mês de outubro, na comparação com o mesmo período do ano passado, indicando a manutenção da tendência de alta nas taxas de devastação da floresta.

LEIA MAIS:
Russos pintam urso polar com spray e animal agora corre risco de vida
Tufão nas Filipinas faz pelo menos 11 mortos

O número está em um relatório divulgado nesta terça-feira (3) pelo Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), ONG sediada em Belém (PA) e que fornece indicadores mensais de desmatamento.

Segundo o Imazon, o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), ferramenta de monitoramento baseada em imagens de satélites e criada em 2008, detectou 583 quilômetros quadrados de destruição na Amazônia Legal em outubro passado.

Isso representa uma alta de 212% em relação ao mesmo mês de 2018, quando o índice havia sido de 187 quilômetros quadrados. A derrubada da floresta se concentrou sobretudo no Pará (59%), seguido por Mato Grosso (14%), Rondônia (10%), Amazonas (8%), Acre (6%), Roraima (2%) e Amapá (1%).

Já a degradação na Amazônia, que mede o "distúrbio parcial provocado pela extração de madeira ou por incêndios", totalizou 618 quilômetros quadrados em outubro, crescimento de 394% em relação ao mesmo período de 2018. A degradação ocorreu majoritariamente no Mato Grosso (74%), mas também apareceu no Pará (17%), em Rondônia (7%), no Amazonas (1%) e em Tocantins (1%).

As taxas de desmatamento medidas pelo Imazon registram altas seguidas desde julho, mas o crescimento de outubro é o maior do ano até aqui em termos proporcionais. No acumulado dos 10 primeiros meses de 2019, o índice de destruição é de 5,6 mil quilômetros quadrados, crescimento de 24% em relação ao mesmo período de 2018.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo