Porta-voz da PM diz que um inquérito foi aberto para apurar mortes em Paraisópolis

Por Metro Jornal

Em entrevista exclusiva à Rádio Bandeirantes, o porta-voz da PM Major Massera disse que um inquérito foi aberto para apurar o caso. Segundo ele, em nenhum momento os policiais atiraram dentro da favela.

Além das nove pessoas que morreram pisoteadas, outras sete pessoas ficaram feridas e foram levadas ao Hospital do Campo Limpo. Uma mulher levou um tiro na perna, e o projétil foi retirado e enviado ao Instituto de Criminalística.

A partir do laudo será possível saber de onde partiu o disparo: dos criminosos ou da PM.

Veja também:
Vídeos mostram correria e confusão com policiais em Paraisópolis
Governador João Doria pede ‘apuração rigorosa’ sobre mortes em baile funk

Entenda o caso

A Polícia Civil investiga o que aconteceu durante um pancadão na favela do Paraisópolis, na madrugada deste domingo (1), que deixou nove mortos.

Segundo informações preliminares, tudo começou com uma perseguição próxima à comunidade, na Avenida Hebe Camargo. A PM tentou abordar dois suspeitos em uma moto quando eles fugiram e dispararam contra os policiais.

Os dois foram em direção ao baile funk para usar as pessoas como escudo humano.

O delegado plantonista do 89º DP, Emiliano da Silva Chaves Neto, classificou a ocorrência como uma fatalidade e que, a princípio, não houve excesso da Polícia Militar.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo