Bolívia: 'fake news' alimentam violência no país

Por Band.com.br com Estadão Conteúdo

Desde a renúncia de Evo Morales no dia 9, a cidade de Yapacaní, no Departamento de Santa Cruz, tem sido alvo de confrontos entre cocaleiros apoiadores do ex-presidente e moradores locais. Um jovem de 20 anos morreu, vítima de arma de fogo, e várias casas e instalações públicas, entre elas a única rádio local e o posto da Polícia Nacional, foram incendiadas. Vinte e oito pessoas estão presas.

LEIA MAIS:
Desmatamento cresceu 29,5% entre 2018 e 2019, aponta Inpe
Cantor Reinaldo, o ‘príncipe do pagode’, morre aos 65 anos

Os cocaleiros vindos de Chapare, no Departamento de Cochabamba, estavam acampados no entorno da cidade e bloquearam a ponte que dá acesso a Yacapaní duas semanas atrás, mas não havia registro de incidentes violentos até que no dia 10 adversários de Evo distribuíram via WhatsApp um vídeo no qual comemoravam efusivamente a renúncia do ex-presidente. A postagem desencadeou a onda de violência que levou à morte do jovem.

Segundo fontes da polícia, o caso de Yapacaní é um exemplo de como as redes sociais têm sido usadas para incitar a violência entre grupos políticos opositores. "Estamos com muita dificuldade para lidar com isso. As pessoas não conseguem distinguir o que é verdade do que é mentira", disse um oficial. Segundo ele, uma das condições colocadas pelos cocaleiros para desarmar o bloqueio foi um pedido de desculpas formal pelo vídeo postado.

"Nossa gente se sentiu extremamente ofendida com aquele vídeo. Aquilo é uma provocação", disse ao jornal O Estado de S. Paulo o cocaleiro Hugo Casas, que ajuda a manter o bloqueio em Yapacaní. Uma tentativa de acordo mediada ontem pela polícia fracassou e o bloqueio continua, ameaçando a cidade de desabastecimento de comida e outros itens básicos.

Ontem, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) divulgou um balanço de 23 mortos desde o início da crise boliviana, no dia 21, e classificou como "grave" um decreto assinado pela autoproclamada presidente interina da Bolívia Jeanine Añez, que autoriza as Forças Armadas a usarem "todos os recursos" para controlar distúrbios de ordem política e isenta militares de responsabilidade penal em casos de "cumprimento de suas funções Constitucionais, ataque em legítima defesa ou estado de necessidade".

O decreto foi assinado um dia antes de 9 cocaleiros serem mortos a tiros pela polícia de Cochabamba quando tentavam furar um bloqueio. Ontem, o ministro da Presidência, Jerjes Justiniano, negou que o documento seja um estímulo à violência. "De nenhuma maneira o decreto é uma licença para matar. É um elemento dissuasivo. O que o governo pretende é evitar os confrontos que podem levar a mais mortes", afirmou.

Desde o início da crise uma avalanche de notícias falsas tem invadido as redes sociais bolivianas. Uma delas dava conta da queda de um avião com um ex-ministro de Evo com dólares e armas na fronteira com o Brasil. Outras citavam uma conta falsa de Jeanine, que também foi alvo de montagens em vídeo. No início da semana passada, imagens de opositores de Evo queimando uma wiphala que representa o orgulho indígena) provocou protestos violentos em La Paz.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo