Servidores de São Paulo fazem greve por plano de carreira

Por Metro Jornal

Parte dos serviços públicos da cidade de São Paulo foram afetados nesta terça-feira (5) por uma greve de servidores. Entre as carreiras que paralisaram estão agentes de apoio, assistentes de gestão de políticas públicas e assistentes de suporte técnico.

A categoria pede por uma reestruturação da carreira, com reajuste salarial e renovação do plano de cargos. De acordo com o Sindsep (SIndicato dos Trabalhadores na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo), o grupo não recebe aumento desde 2013.

O sindicato pede pela manutenção da proporção dos salários entre os níveis básico e médio (82%) e a retomada da proporção dos salários entre os níveis médio e superior (50%).

Veja também:
Bolsonaro e Guedes entregam primeira parte de novo pacote de reformas
Idade média ao morrer em São Paulo é de 68,7 anos; veja índice no seu distrito

A proposta foi negada pela prefeitura, e a categoria optou por entrar em greve – são 12 mil funcionários ativos, atuando em setores administrativos de hospitais, escolas, autarquias e subprefeituras. Uma nova reunião na quinta-feira (7) decidirá o rumo da paralisação.

Em nota, a Secretaria de Gestão da Prefeitura de São Paulo reconheceu a necessidade de valorizar o salário base do funcionalismo público. Um projeto de abono emergencial já foi aprovado pela Câmara Municipal e um projeto de reestruturação das carreiras foi prometido para este ano.

Sobre negar a proposta do Sindsep, a Prefeitura afirmou que os pedidos da categoria estavam acima das “possibilidades orçamentárias”. O Orçamento de 2020 do município conta com R$ 100 milhões para a reestruturação dos funcionários públicos.

Greve dos servidores Greve na Procuradoria Geral do Município / Divulgação/Sindsep
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo