Acessibilidade de pessoas com deficiência a sites brasileiros é inferior a 1%

Por Metro Jornal

Um levantamento feito pelo Movimento Web para Todos, em parceria com a BigData Corp, mostra que, dos 14 milhões de sites ativos no Brasil, menos de 1% passou nos testes de acessibilidade para pessoas com deficiência. Quando se fala dos sites governamentais das três esferas, o percentual cai para 0,34%.

Os dados mostram também que 93,79% dos sites falharam em algum dos testes realizados, e 99,39% apresentaram pelo menos uma falha. Em 52,38%, houve problemas de formulários e 83,56% falhas de links. E 5,6% dos sites ativos (que tenham sido atualizados em até três meses atrás) falharam em todos os testes.

“Não é porque um site falhou em um teste específico que uma pessoa com deficiência não possa usá-lo. Mas a sua experiência de navegação deixará a desejar”, pondera Thoran Rodrigues, presidente da BigData Corp.

Veja também:
Falha de sistema bloqueia 6 mil cartões do Bilhete Único em São Paulo
Ex-ministro Maílson da Nóbrega é otimista com a economia brasileira em 2020; leia entrevista

Simone Freire, idealizadora do Movimento Web para Todos, destaca que o mundo digital é totalmente excludente para pessoas com algum tipo de deficiência, população que chega a 45 milhões de pessoas no Brasil.

Simone lembra ainda que a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, sancionada em julho de 2015 e em vigência desde janeiro de 2016, obriga organizações com representação no país a ter suas páginas na web acessíveis para pessoas com deficiência.

Sem acesso

Quantidade de falhas
93,79% – em parte dos testes
99,39% – pelo menos uma falha

Principais problemas
Formulário – 52,38%
Links – 83,56%
Imagens – 83,25%
Frames – 21,42%
Teste do W3C (World Wide Web Consortium, principal organização mundial de padronização da web) – 95,18%

Fonte: BIGDATA

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo