Direto do Chile: 'Na cidade da fúria'

Por Pablo Cavada, do Publimetro Chile
Pablo cavada Reprodução

Hoje em dia é difícil dizer a um estrangeiro como "sobreviver" em Santiago, já que a capital do Chile se tornou, como dizia a música de Soda Stereo, uma cidade onde a população expressa sua decepção todos os dias em cada canto com mais força devido às crescentes desigualdades e ao custo de vida.

A capital do Chile desde sexta-feira passada vive um estado de exceção constitucional que pode durar até 15 dias (e que o presidente pode estender por mais 15 dias), com quase 10.000 militares nas ruas, toque de recolher (sábado começou às 21:00, domingo às 19:00 – em Concepcion, a segunda maior cidade do país, nesta segunda-feira começaria às 18:00), e um transporte público precário devido ao fechamento parcial do metrô, que mobiliza 2 , 6 milhões de pessoas por dia – apenas parte da linha 1 que atende 40% dos usuários está operacional.

Assim, e após um fim de semana em que o serviço de ônibus teve que ser suspenso por causa dos protestos e onde a maioria dos taxistas preferia não arriscar sair, o aeroporto (localizado a cerca de 20 km da cidade) ficou praticamente isolado com o consequente cancelamento e adiamento de vôos, e os passageiros tiveram que dormir no chão, esperando saber o que aconteceria com suas viagens em um local que também ficou isolado.  Nos próximos dias, o transporte aéreo aparentemente também será caótico .

Neste momento, escrevo após ver pela janela jovens manifestantes fugindo de carros jogando água, enquanto assisto à televisão pública – que esteve em programas especiais nos últimos três dias – mostrando como a tradicional Plaza Italia, ponto central da capital onde floresce os bairros boêmios Bellavista e Lastraría, estão agora cheios de milhares de pessoas que continuam se manifestando com força, apesar da falta de serviços básicos e da restrição de liberdades que o governo decretou.

Apenas parte do comércio abriu suas portas na segunda-feira e o transporte público insuficiente mantém a cidade funcionando parcialmente, com as aulas suspensas. Os grandes eventos culturais também foram suspensos e os cruzamentos das principais avenidas os substituíram como pontos de encontro em massa, onde a música é de panelas e assobios, e as pessoas erguem bandeiras e cartazes onde se lê "Não temos medo".

Assim, a semana que começa não parece trazer de volta a tranquilidade. Eu adoraria dizer que existem cantos da cidade que mantêm alegria e diversão. Por enquanto, só posso recomendar que, se você for passear para ver o que acontece, leve um limão no bolso para passar pelas nuvens de gás lacrimogêneo na cidade da fúria.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo