Grupo indígena percorrerá Europa para pressionar governo Bolsonaro

Por Ansa

Uma delegação de líderes indígenas visitará 12 países da Europa entre os dias 17 de outubro e 20 de novembro para denunciar "violações dos direitos" das populações nativas no Brasil.

LEIA MAIS:
Operação Lava Jato aumenta a autoestima do brasileiro, diz Moro
Campanha vai postar fotos de desaparecidos nas redes da Câmara de São Paulo

A ação foi divulgada pela ONG Greenpeace, que afirmou que o roteiro terá início no Vaticano, com a presença dos índios no Sínodo dos Bispos para a Amazônia, inaugurado pelo papa Francisco em 6 de outubro.

Após o Vaticano, a delegação passará por Turim e Bolonha, na Itália, Berlim e Munique, na Alemanha, Estocolmo (Suécia), Oslo (Noruega), Amsterdã (Países Baixos), Bruxelas (Bélgica), Genebra e Berna, na Suíça, Paris (França), Porto (Portugal) e Londres (Reino Unido).

A viagem terminará na Espanha, com compromissos em Madri, Barcelona e Valência. A missão será liderada pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), em colaboração com organizações da sociedade civil.

O objetivo da campanha, chamada "Sangue indígena: nem uma gota a mais", é fazer pressão para que o governo Bolsonaro e o setor agrícola respeitem tratados climáticos internacionais, como o Acordo de Paris.

Santa Dulce dos Pobres será canonizada no próximo domingo

Religião. Após canonização domingo, freira baiana será primeira santa nascida no Brasil

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo