Ronaldinho Gaúcho faz acordo e recupera passaporte, confiscado por crime ambiental

Por Ansa

O ex-craque Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto Assis, conseguiram chegar a um acordo com o Ministério Público do Rio Grande do Sul e pagarão uma multa milionária por dano ambiental. Com isso, os dois conseguirão de volta os seus passaportes.

LEIA MAIS:
Carlos Bolsonaro é investigado sob suspeita de ‘rachadinha’ e uso de funcionários fantasmas
Polícia Federal prende traficante italiano procurado pela Interpol

O caso começou em 2015, quando o ex-atleta e seu irmão foram condenados a pagar uma multa pela construção de um trapiche, tipo de plataforma de pesca, em uma área de preservação permanente e sem nenhum licenciamento ambiental.

Como não houve o pagamento da multa, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul optou em apreender no ano passado os passaportes dos irmãos. Segundo o Ministério Público, a infração inicialmente era de R$ 800 mil, já hoje ultrapassa o valor de R$ 8 milhões.

"Basicamente é isso, as partes chegaram a um acordo comum e final de processo. Os dados eu não posso comentar porque faz parte de segredo de Justiça. O principal é que foi resolvido o processo referente ao dano ambiental. Foi paga uma indenização e o caso foi resolvido", afirmou o advogado da família Assis, Sérgio Queiroz, em entrevista ao site "Globo Esporte".

Há uma semana, o ex-jogador de Milan e Barcelona foi escolhido pelo Instituto Brasileiro do Turismo (Embratur) para ser embaixador do turismo no Brasil. No entanto, a nomeação de Ronaldinho foi contestada nas redes sociais, já que o ex-atleta não pode sair do país por estar com o passaporte retido.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo