Trio levava migrantes da África aos EUA

Por Fabíola Salani, Metro Jornal

A Polícia Federal prendeu nesta terça-feira, na operação especial Big Five, três estrangeiros que moram em São Paulo acusados de contrabandear migrantes ilegais vindos de países da África oriental –como Tanzânia, Quênia e Somália– para os EUA, os quais pagavam de US$ 4 mil a US$ 7 mil para serem levados àquele país.

As investigações começaram em 2018, cooperação da PF  brasileira e da agência norte-americana de imigração. Foram identificadas 72 pessoas contrabandeadas por esse esquema.

Os três presos são um sul-africano e um argelino com status de refugiados no Brasil e um iraniano com visto de investidor.

Apontado como líder, o argelino tem uma agência de viagens pela qual eram compradas passagens para os migrantes e feito câmbio quando eles chegavam a São Paulo. Ele tinha perfis falsos em redes sociais nos quais exaltava o nazismo.

Segundo Marcelo Ivo de Carvalho, delegado da PF, a cidade era base porque o aeroporto de Guarulhos é o que tem maior conectividade com países da África nas Américas do Sul e Central.

Os migrantes recebiam passaportes africanos falsificados ou vistos brasileiros falsos, apreendidos quando chegavam a São Paulo. Da cidade, eram levados a Rio Branco, onde iam até o Peru e, depois, para Equador e Colômbia (veja a rota no quadro).

Nesse país, segundo o delegado Milton Fornazari, enfrentavam o pior trecho da viagem: seguiam a pé por uma floresta tropical, sem estradas, com cobras, onças, na qual traficantes das Farc se escondem. “Alguns morreram nesse trecho.”

esquema africa Reprodução

Outro ponto crítico era perto da fronteira do México com os EUA, onde alguns eram sequestrados e suas famílias, na África, tinham que pagar o resgate.

Dois somalis levados por meio desse esquema estão presos nos EUA acusados de serem de organização terrorista ligada à Al Qaeda.

Os três presos devem responder por contrabando de migrantes, organização criminosa e falsificação de documento público, com penas de 3 a 8 anos de prisão.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo