Bolsonaro chama coronel acusado de tortura de 'herói nacional'

Por Metro Jornal

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) referiu-se ao coronel Brilhante Ustra, chefe do órgão de inteligência e repressão DOI-Codi durante a ditadura militar, como um "herói nacional".

LEIA MAIS:
Vice Hamilton Mourão faz piada com tremores de Angela Merkel
MEC aciona PF após suspeitar de sabotagem nos sistemas do ProUni e do Fies

Ustra, falecido em 2015 aos 83 anos, chegou a ser condenado por participar e comandar sessões de tortura que levaram à morte do jornalista Luiz Eduardo Merlino, em 1971. No entanto, a condenação foi extinguida pela justiça paulista em 2018 – o entendimento da Justiça de SP foi que, passados mais de 20 anos, o processo havia passado do intervalo previsto para ajuizamento.

Em entrevista nesta quinta-feira (8), ao sair do Palácio do Alvorada, Bolsonaro anunciou um almoço que teria com a viúva do coronel, Maria Joseíta Silva Brilhante. "[Ela] tem um coração enorme. Sou apaixonado por ela. Não tive muito contato, mas tive alguns contatos com o marido dela enquanto estava vivo", relembrou o presidente. "Um herói nacional que evitou que o Brasil caísse naquilo que a esquerda hoje em dia quer", descreveu, sobre Ustra.

Em 2016, durante votação do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), Bolsonaro utilizou seu voto na Câmara dos Deputados para homenagear o chefe do DOI-Codi. O capitão chegou a enfrentar pedidos de cassação de seu mandato por quebra de decoro parlamentar e apologia à tortura – que foram, desde então, arquivados.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo