Doleira presa na Lava Jato diz ter ficado dias 'sem água e sem comida' na prisão

Nelma Kodama relata ações da Polícia Federal para conseguir sua delação premiada

Por Metro Jornal

Em entrevista à rádio Jovem Pan, a doleira Nelma Kodama, presa em flagrante e condenada pela Operação Lava Jato, afirmou ter sido deixada em cela sem água e comida pela Polícia Federal. Nelma foi a primeira pessoa presa na Lava Jato, e ficou famosa ao ser flagrada no aeroporto de Guarulhos levando cerca de 200 mil euros em sua roupa íntima.

Leia mais:
13 anos da Lei Maria da Penha: app oferece ajuda para mulheres vítimas de violência
MEC bloqueia R$ 348 milhões em livros para a educação básica

A ex-dentista e comerciante foi condenada em 2014 a 18 anos de prisão, por corrupção, evasão de dívidas e organização criminosa, envolvida em esquema com a Petrobras. No entanto, foi solta em junho de 2016, passando para prisão domiciliar após delação premiada.

Segundo ela, tal delação não veio facilmente. "Eu fiquei sem água e sem comida durante alguns dias. Era uma cela sem luz com um colchão cheirando a xixi. Eu não podia comer, não podia nada, não tinha direito a banho de sol", contou Nelma, que afirma ter sido coagida pela Polícia Federal para contribuir em delação premiada.

Na terça-feira (6), Nelma voltou ao noticiário após retirar sua tornozeleira eletrônica, a qual era obrigada a utilizar em prisão domiciliar. Ela ainda gravou o momento da retirada em redes sociais, em uma espécie de "tutorial". Ainda, em julho, ela publicou foto sua trajando um salto alto da grife Chanel, junto à tornozeleira.

Kodama ainda conta ter planos de produzir um programa de bastidores sobre a Operação Lava Jato. Confira, a seguir, a entrevista da Doleira à Jovem Pan.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo