Saiba o que muda com a taxa Selic a 6%; poupança ainda supera fundos

Por Metro Jornal

Em meio ao cenário de fraca atividade econômica e inflação bem comportada, o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central reduziu ontem a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, à nova mínima histórica de 6% ao ano. Foi o primeiro corte desde março de 2018.

“Aparentemente, o cenário econômico está melhor do que imaginávamos”, avaliou o professor de finanças da FGV (Fundação Getulio Vargas), Oscar Malvessi. Malvessi disse que a decisão surpreendeu positivamente, já que os analistas esperavam um corte de 0,25 ponto percentual na Selic.

Veja também:
São Paulo terá vacinação contra sarampo em faculdades e creches
Nova onda de frio pode fazer temperatura chegar a 6°C no fim de semana em São Paulo

Segundo ele, o Copom não tomaria uma decisão dessa magnitude de qualquer maneira e isso mostra que o BC tem sob controle tanto os “juros futuros” como a inflação. O professor também avalia que o comitê percebeu que houve avanços na agenda de reformas estruturais, caso da Previdência, para chegar à decisão de cortar a taxa básica de juros.

Em comunicado, o Copom reiterou a necessidade de avanços nas reformas estruturais da economia brasileira para que os juros permaneçam em níveis baixos por longo tempo.

O Banco Central também indicou que novas reduções poderão ocorrer nos próximos meses. “O Comitê avalia que a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo”, acrescentou o texto. A próxima reunião do Copom está marcada para 18 e 19 de setembro.

Poupança ainda supera fundos

Mesmo com corte da Selic, a poupança mantém sua vantagem em relação aos fundos de renda fixa na maioria dos casos, segundo cálculos da Anefac (Associação dos Executivos de Finanças).

A caderneta supera fundos com taxa de administração de 1,5% com prazo de resgate de até um ano. Com taxas a partir de 2%, os fundos perdem para a poupança em qualquer prazo de resgate.

Os fundos de investimentos só têm rendimento superior ao da poupança quando suas taxas de administração são de até 1% ao ano para prazos superiores a seis meses, ou quando o prazo de resgate é superior a dois anos com uma taxa anual de até 1,5%.

Segundo a Anefac, as aplicações em CDB são mais vantajosas que a poupança apenas com rendimento acima de 85% do CDI.

fundos x poupança selic 6%

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo