Santo André passa a ser atendida pela Sabesp; entenda o que muda

Por Vanessa Selicani - Metro ABC

A Sabesp é a nova prestadora de serviços de água e esgoto aos moradores de Santo André. O contrato de transferência do Semasa para a companhia estadual foi assinado na quarta-feira (31), depois de cerca de três anos de discussões com a atual gestão municipal.

O acordo prevê investimento da Sabesp em Santo André de cerca de R$ 917 milhões durante o período do contrato, estipulado em 40 anos. O município também vai receber recursos do FMSA (Fundo Municipal de Saneamento) num total de R$ 622 milhões, o que eleva o investimento para R$ 1,539 bilhão.

Com o repasse do serviço, a companhia estadual zera a dívida da cidade acumulada desde a década de 1990 com o não pagamento integral do valor da água no atacado, estimada em cerca de R$ 4 bilhões. A prefeitura precisava comprar 95% da água distribuída, mas não concordava com o valor cobrado pela companhia estadual. O impasse foi tema de processo no Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), que terminou em 2017 com o arquivamento da queixa de Santo André.

Outra justificativa para a entrega dos serviços apresentada pelo prefeito Paulinho Serra (PSDB) é a baixa capacidade de investimento da cidade no sistema de abastecimento de água.

Ao menos desde 2016 moradores sofrem com falta de água durante o verão. A situação de agrava por conta da redução da pressão por parte da Sabesp. O Semasa diz que as atuais tubulações não suportam o retorno da água de forma rápida. O resultado são dias sem abastecimento em regiões altas e nas divisas com outras cidades.

O governador João Doria (PSDB) reafirmou na quarta a promessa feita pelo prefeito de Santo André em maio ao Metro Jornal de que a falta d’água recorrente não se repetirá no próximo verão. “Estamos trabalhando para que não haja problemas no verão ou em qualquer período [na cidade]. Há situações de intempéries fora de controle. Mas tudo indica que não teremos problemas.”

A previsão da Sabesp é de início imediato das obras para melhoria da rede. “As intervenções começam nas regiões de divisa e nas comunidades, onde a falta de água é mais crítica. Em bairros como Clube de Campo e Parque Miami, regiões mais carentes e que sofreram mais durante as altas temperaturas”, disse Paulinho Serra.

O que muda na prática?

No dia a dia, o morador de Santo André ainda deve demorar para perceber as diferenças na prestação de serviço. O Semasa estima ao menos seis meses de transição, mas a conclusão do processo pode chegar a dois anos, de acordo com previsão de Serra.

O Metro Jornal preparou algumas perguntas e respostas sobre o tema:

  • A tarifa de água e esgoto vai ficar mais cara?
    O contrato prevê que durante três anos haverá apenas reajustes inflacionários. Após esse período, as tarifas poderão ser modificadas semestralmente. O prefeito Paulinho Serra diz que parte das residências com taxa social terão redução no valor
  • E a conta, muda?
    Por enquanto, não há prazo para mudar o formato da conta que chega aos moradores
  • Como fica a taxa de lixo?
    Continua a ser cobrada na conta de água e esgoto. A prefeitura diz que o valor será repassado ao Semasa, que continua com a gestão do lixo
  • Muda o atendimento ao consumidor?
    Os postos e o telefone 115 ainda não têm prazo para mudar
  • O Semasa vai deixar de existir?
    Não, a autarquia continua a atuar em coleta e destinação do lixo, na administração de áreas verdes, como o Pedroso, e na drenagem
  • Por que houve a mudança?
    Porque a cidade tem dívida avaliada em cerca de R$ 4 bilhões com a Sabesp. Ela se arrasta desde a década de 1990, quando a cidade deixou de pagar o valor integral da água por não concordar com a taxa cobrada pela companhia estadual. O Semasa tinha capacidade para produzir apenas 5% da água distribuída para a cidade. O restante era comprado no atacado da Sabesp. Além da dívida, a prefeitura afirma que não possuía capacidade financeira para investir no sistema de água e esgoto
  • E como fica a dívida agora?
    Ela será abatida durante os anos de contrato com a Sabesp, estipulado em 40 anos
  • Os funcionários do Semasa serão demitidos?
    A prefeitura diz que não haverá demissões e os trabalhadores que não forem absorvidos pela Sabesp serão aproveitados em outros setores do município

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo