Foto de pai e filha mortos em rio ilustra drama de quem tenta cruzar a fronteira com os EUA

Por Metro Jornal

Esta reportagem contém imagens fortes

Mais uma vez, uma triste foto alertou para o drama da crise migratória que atinge diversos países. Um migrante salvadorenho e sua filha morreram afogados ao tentar atravessar o Rio Bravo na cidade de Matamoros, em Tamaulipas, no México. A família cruzava a fronteira com os Estados Unidos para chegar à cidade de Brownsville, no Estado do Texas.

A imagem é chocante e pode ser forte para alguns leitores. Nela, a criança, que tinha por volta de dois anos, aparece com o braço apoiado no pescoço do pai.

Pai e filha salvadorenhos REUTERS/Stringer

Leia também:
Militar em voo presidencial é preso na Espanha com 39 quilos de cocaína

O homem se chamava Óscar Martínez Ramírez, tinha 25 anos e era cozinheiro. A esposa e mãe da criança, Tania Vanessa Ávalos, presenciou a tragédia e contou ao jornal mexicano “La Jornada” como tudo aconteceu. Segundo ela, o marido havia conseguido fazer a travessia com a filha, Valeria, que neste momento já estava em terra firme. Quando voltou para buscar a companheira, a menina se assustou e pulou na água. Mesmo tentando salvá-la, os dois foram arrastados por uma forte correnteza e não resistiram.

A família aguardava a oportunidade de solicitar asilo nos Estados Unidos. Os corpos foram encontrados no lado mexicano da fronteira, a cerca de 500 metros de onde desapareceram.

Menino sírio

Aylan Kurdi homenagem Manifestantes cobram autoridades sobre morte do menino Aylan / Chris Hopkins/Getty Images

O caso lembra outro triste episódio de quem tenta sair do país em busca de uma vida melhor — ou menos pior. Em 2015, no auge da crise migratória na Europa – com 1,26 milhão de solicitações de refúgio na UE  – a imagem de Aylan Kurdi, um menino sírio de 3 anos que foi encontrado morto em uma praia da Turquia causou indignação pela perceptível falta de ação das nações desenvolvidas em ajudar os refugiados.

Aylan e sua família — o irmão de cinco anos, Galip, a mãe, Rehan, e o pai, Abdullah — viajavam desde a Turquia em dois barcos com destino à Grécia. Todos morreram, com excessão do pai.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo