Não vai aderir à greve geral? Veja dicas de transportes alternativos em SP

Por Metro Jornal

A Greve Geral tem sido convocada por centrais sindicais há mais de um mês. Mesmo assim, nem todos os trabalhadores decidiram aderir à paralisação de sexta-feira (14) e suspender suas atividades em protesto contra a reforma da Previdência.

Para quem irá trabalhar normalmente e depende do transporte público, pensar em trajetos alternativos pode ser um verdadeiro desafio. Esta talvez seja a maior preocupação dos trabalhadores em relação à data.

Enquanto metroviários e motoristas afirmam que ônibus, trens e metrô estarão suspensos, o Governo do Estado tenta, por meio de liminares, garantir o funcionamento dos principais meios de transporte de São Paulo.

A SMT (Secretaria dos Transportes Metropolitanos) conseguiu uma liminar para impedir que o Metrô e a CPTM suspendam suas atividades. No caso do Metrô, ficou estabelecida a manutenção de 100% do quadro de servidores nos horários de pico e 80% no restante. Já a CPTM deverá manter 100% do quadro durante todo o horário de operação.

Além disso, uma decisão judicial obtida pela SPTrans junto ao Tribunal Regional do Trabalho determina a manutenção da operação dos ônibus na sexta-feira, sob pena de multa de 100 mil reais em caso de descumprimento.

Leia mais:
Greve Geral: O que pode acontecer se eu faltar no trabalho?
Greve Geral: ‘É dia de ficar em casa’, diz presidente nacional da CUT
Greve Geral: Saiba onde e que horas terá manifestação em São Paulo
Greve Geral: Metrô e CPTM conseguem liminar para suspender paralisação
Greve Geral: Professores de escolas particulares de SP também confirmam paralisação; veja a lista

Enquanto o funcionamento dos transportes permanece uma incógnita, confira algumas opções e dicas para minimizar os possíveis impactos da greve do seu trajeto:

Vá de bike!

Para distâncias curtas, a dica é ir de bicicleta ou mesmo fazer o trajeto a pé. Mesmo se você não tiver uma bike, serviços de compartilhamento desses equipamentos podem ser encontrados em diversos pontos da cidade e por um valor relativamente barato.

Funciona assim: você baixa o aplicativo de uma dessas empresas, como a BikeSampa, do Itaú, ou a Yellow, faz o cadastro e escolhe um plano ou a quantidade de tempo que ficará com o equipamento.

Como funciona a Yellow Como funciona o aluguel de bicicletas e patinetes elétricos da Yellow / Divulgação/Yellow
Como funciona o BikeSampa Como funciona o aluguel de bicicletas do BikeSampa / Divulgação/BikeSampa

Organize caronas solidárias

Planeje seu trajeto e converse com colegas de trabalho e vizinhos para organizar caronas solidárias. Vocês podem combinar um valor referente ao combustível, se o motorista irá passar na residência de cada um ou se vocês preferem se encontrar em algum local.

Peça um táxi ou um carro por aplicativo

Uma opção de transporte são os táxis. As tarifas vigentes são as seguintes:

  • Bandeira 1 (das 6h às 20h, de segunda a sábado) – R$ 4,50 mais a tarifa de R$ 2,75 por quilômetro rodado;
  • Bandeira 2 (das 20h às 6h, de segunda a sábado, e o dia todo aos domingos) – Acréscimo opcional de 30% sobre a tarifa quilométrica.

Uma dica para baratear os custos do trajeto é dividir a corrida com amigos ou colegas de trabalho. Também vale para carros solicitados por aplicativo.

SPTaxi

O SPTaxi é um aplicativo desenvolvido pela Prefeitura de São Paulo. Uma das vantagens são os descontos sobre o valor registrado no taxímetro, que podem variar de 10% a 40% conforme disponibilidade e demanda no local e horário da corrida.

No momento da chamada, o passageiro poderá escolher a faixa de desconto de sua preferência e a forma de pagamento, que, atualmente, pode ser feito em dinheiro, cartões de crédito ou débito, diretamente ao motorista.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo