Aniversário de Anne Frank levanta homenagens no mundo todo

Por Metro Jornal com Ansa

A adolescente judia Anne Frank virou símbolo da perseguição e também da resistência do povo judeu durante a Segunda Guerra Mundial. A menina alemã ficou conhecida mundialmente após a publicação de seus escritos diários, compilados no "Diário de Anne Frank", hoje um dos documentos mais importantes da época.

Há exatamente 90 anos, Anne nascia na cidade de Frankfurt, e esta data está sendo celebrada por todo o mundo.

A data está sendo celebrada com diversas exposições. Em uma delas, O Google, em parceria com a Fundação Anne Frank, lançou hoje (12) uma mostra online que possibilita o público ver bem de perto a casa onde a adolescente viveu, em Amsterdã, na Holanda.

Com a tecnologia Street View, é possível ver todos os cômodos da residência, até o quarto que a jovem dividia com a irmã, Margot. A exposição também mostra fotos, vídeos e documentos sobre Frank.

LEIA MAIS:
Um dia de Tony Stark! Cabana de ‘Vingadores’ pode ser alugada no Airbnb

Já o jornal alemão "Bild", publicou nesta quarta-feira (12) uma entrevista com Jacqueline van Maarsen, a melhor amiga de Frank em Amsterdã.

Atualmente com 90 anos de idade, Maarsen destacou a "alegria" da jovem e disse não ter sido fácil ser amiga de Frank.

"Não foi fácil ser sua amiga. Anne era a mais extrovertida de nós, eu a mais silenciosa. Ela explodia de alegria pela vida", contou Maarsen, que conheceu a autora do "Diário de Anne Frank" em uma escola judaica em 1941.

Maarsen também lembrou que as meninas brincavam com o jogo de tabuleiro Monopoly e "Anne queria que eu [Maarsen] não jogasse com ninguém além dela".

"Ela sabia que os alemães não a queriam como judia e uma vez me disse: 'Eu pessoalmente perguntarei à rainha se ela pode me tornar holandesa"", revelou a amiga de Frank.

Já sobre o famoso diário da amiga, Maarsen afirmou que "ela estava apenas escrevendo sua própria história, a história de uma jovem". No entanto, "sabemos que foi a história do mundo que ela documentou".

A adolescente judia morreu no campo de concentração de Bergen-Belsen, em fevereiro de 1945, aos 15 anos de idade. A última anotação de Frank em seu diário foi no dia 1º de agosto de 1944, três dias antes dos nazistas descobrirem seu esconderijo e prenderem a família da jovem. Maarsen, por sua vez, sobreviveu à guerra por ter um pai judeu e uma mãe católica.

Já no Brasil, a data foi relembrada com um evento no Memorial da Imigração Judaica e do Holocausto, em São Paulo. A holandesa Nanette Blitz Konig, que foi colega de classe de Frank em Amsterdã, foi homenageada. Segundo ela, a jovem "era muito inteligente e gostava de escrever".

Na Itália, o dia foi celebrado em Veneza com uma leitura pública de algumas páginas do famoso diário de Frank, que já vendeu milhões de exemplares desde 1947, ano que foi lançado.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo