Meninas que morreram no Chile brincavam na neve

Por Metro Jornal

As duas meninas brasileiras que morreram na tarde da última segunda-feira no Chile são Khálida Trabulsi Lisboa, 3 anos, e Isadora Bringel, 7 anos. Diferentemente do que chegou a ser informado, elas não estavam dentro de um ônibus de turismo, mas brincavam juntas na neve, durante passeio com os pais (Lenne e Jorge Trabulsi e Slavya e Marcelo Bringel), quando foram atingidas por uma rocha na subida da montanha de El Yeso. Khálida morreu na hora. Isadora chegou a ser levada para o hospital, mas também não resistiu.

As famílias das meninas são de Bacabal (MA), amigas entre si e estavam a passeio no país. De acordo com parentes, eles deixaram o município no último dia 29 e retornariam ao Maranhão ontem. Segundo a imprensa chilena, as duas faziam parte de um grupo de 20 turistas que estava em um lugar de acesso proibido no momento da tragédia. A governadora da província (estado) de Cordillera, Mireya Chocair, declarou que o local do acidente estava fechado para visitas justamente pelo risco de acidentes como o que matou as meninas.

Ademir Mendoza, outro brasileiro que também participava do passeio, afirmou à emissora chilena Teletrece que o local não tinha sinalização. “Não havia placas, é um lugar perigoso. Poderia até ter vitimado mais pessoas, foram muitas pedras”, afirmou o brasileiro.

O Ministério Público do Chile abriu uma investigação. A Tip Group Travel será responsabilizada pelo incidente. O gerente Felipe Díaz informou que a empresa fará o traslado dos corpos.

Vida

Lenne Carvalho Lisboa, que perdeu a filha Khálida na tragédia, está na 27ª semanas de gravidez de outra menina, informa o jornal Extra. “Estar grávida é sentir um fantástico mar de diferentes emoções que nem imaginava que existiam”, escreveu ela, em 10 de maio, em post no qual celebrou as 24 semanas de gestação, hoje de quase sete meses.  


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo