Chefe da segurança privada de Mark Zuckerberg é acusado de assédio, racismo e homofobia

Por Estadão Conteúdo

O chefe da segurança privada de Mark Zuckerberg e sua família, Liam Booth, está sendo acusado por dois ex-funcionários de sua equipe de assédio sexual, racismo e homofobia. O Business Insider teve acesso a cartas enviadas pela dupla aos administradores de patrimônio da família Zuckerberg – os ex-funcionários são representados no caso pela escritório de advocacia Bloom Firm, o mesmo que representou as vítimas no caso de assédio do apresentador Bill O'Reilly, que acabou demitido do canal Fox News em 2017.

Os documentos citam níveis assustadores de assédio sexual e agressão e um ambiente de trabalho onde funcionários encaram comentários racistas, sexistas, homofóbicos e transfóbicos. Segundo eles, os comentários eram feitos até em relação a Priscilla Chan, esposa de Zuckerberg. Booth teria ligado as habilidades de Chan como motorista ao fato de ter origem chinesa – os pais dela chegaram aos EUA como refugiados do país. Outros comentários supostamente também atacavam os esforços de diversidade no Facebook promovidos por Zuckerberg.

LEIA MAIS:
Americano plantava maconha em apartamento em Ipanema
Coreia do Norte executa diplomata responsável pelo encontro entre Trump e Kim Jong Un

Um dos ex-funcionários também relata comentários agressivos de Booth a um subordinado gay – posteriormente, o chefe de segurança teria apalpado esse mesmo homem.

As cartas não conectam o comportamento de Booth a Zuckerberg, e nem ao menos tratam como se ele tivesse ciência das práticas. Porém, os ex-funcionários acusam Brian Mosteller, diretor administrativo de bens da família, de não tomar nenhuma atitude em relação a Booth, mesmo após funcionários denunciarem o comportamento do chefe de segurança. Os dois ex-funcionários querem ser indenizados por perdas materiais relacionadas aos seus salários e danos emocionais.

Um representante da família Zuckerberg disse que leva as denúncias a sério e que está investigando os casos. Booth é ex-funcionário do serviço secreto dos EUA durante a administração Obama, e lidera o esquema privado de segurança da família Zuckerberg, que consome anualmente US$ 10 milhões do Facebook.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo