Metrô multa empresa em R$ 88 milhões por atraso na entrega dos trens da linha 17-Ouro

Por Metro Jornal

Prevista para a Copa do Mundo de 2014, a linha 17-Ouro do Metrô de São Paulo segue com as obras paradas após a rescisão do principal contrato para a sua construção. Nesta semana, a autarquia estatal multou uma das empresas responsáveis por não cumprir o cronograma de entregas.

A Scomi, original da Malásia e integrante do CMI (Consórcio Monotrilho Integração), apresentou falência e não entregou os trens leves com pneus, como acordado em contrato. A quebra contribuiu no atraso da obra, que estava apontada para 2020, mas que volta a ter a data de inauguração incerta.

Veja também:
Menina que caiu de prédio no Jaguaré tem alta médica; mãe segue internada
‘Nenhuma empresa está acima da lei’, diz Covas sobre apreensão de patinetes

A multa prevista é de R$ 88 milhões. A intimação do Metrô proíbe ainda que a empresa participe de licitações ou feche contratos com o Governo do Estado de São Paulo pelos próximos dois anos.

Tudo de novo

Na segunda-feira (27), o governo estadual publicou o edital da nova licitação para contratar uma empreiteira substituta para terminar as obras de implantação da linha 17-Ouro. A vencedora cuidará da finalização das vigas e acabamento de sete estações e um pátio para trens.

Já a licitação para definir a substituta da Scomi no fornecimento de trens e sistemas deve ser feita no mês que vem.

A linha 17-Ouro irá integrar a linha 9-Esmeralda – na estação Morumbi – com o aeroporto de Congonhas. O monotrilho passa por bairros da zona sul como Campo Belo, Brooklin e Vila Cordeiro, com integração também com a linha 5-Lilás. As obras começaram em 2012.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo