Centenário de Dorina Nowill, a educadora que ajudou milhares a 'ver'

Por Metro Jornal

Se fosse viva, Dorina Nowill teria completado 100 anos de idade nesta terça-feira. Mas, para os milhares de deficientes visuais atendidos ao longo de mais de sete décadas pela fundação que ajudou a criar, a educadora continua viva.

Formada por ela em 1946, a Fundação para o Livro do Cego no Brasil – que em 1991 ganhou o nome Fundação Dorina Nowill para Cegos em sua homenagem – atua na inclusão de pessoas cegas.

Ali, as pessoas atendidas recebem, gratuitamente, habilitação e reabilitação, além de cursos e inclusão profissional. Em 70 anos, são mais de 23 mil pessoas atendidas, entre crianças, jovens, adultos e idosos cegos ou com baixa visão.

A inclusão se dá também pela impressão de livros em braille – a escrita em alto-relevo que permite aos cegos lerem. Um parque gráfico ali instalado produz e distribui materiais para cerca de 3 mil escolas do Brasil. São cerca de 2 milhões de livros impressos ao longo dos anos da fundação.

Mais recentemente, a fundação desenvolveu, em parceria com a Lego Foundation, o Lego Braille Bricks, que usa blocos de montar da fabricante para alfabetizar crianças cegas.

A história

Nascida em 28 de maio de 1919 em São Paulo, a ação de Dorina Nowill pelas pessoas cegas começou quando ela própria perdeu a visão, aos 17 anos, por causas nunca diagnosticadas.

Isso não a impediu de se formar na escola, em 1945. Naquela época, livros em braille eram raros no Brasil e ela percebeu a necessidade de ampliar a produção.

Após se formar, viajou para os EUA, onde se especializou em educação de deficientes visuais. Na volta, formou a fundação.

A história de Dorina é contada em um museu instalado na sede da fundação (rua Diogo de Faria, Vila Clementino, zona sul), que recebe visitas com agendamento (pelo telefone 11-5087-0955, ou pelo e-mail centro
[email protected]
dorina.org.br).

Ali, estão expostos documentos, as primeiras máquinas de escrever em braille e impressoras nesse alfabeto. A sala da educadora foi mantida como quando ela estava viva e pode ser visitada também.

Dorina faleceu em 2010, aos 91 anos, vítima de uma parada cardíaca. Mas sua obra continua.   


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo