Triplicam casos de morte de motociclistas no ABC; veja dados

Por Vanessa Selicani - Metro ABC

Os motociclistas se tornaram as maiores vítimas do trânsito do ABC neste ano. Os casos de mortes envolvendo motos em vias da região praticamente triplicaram, passando de 7 nos quatro primeiros meses de 2018 para 25 no mesmo período deste ano.

Os dados foram levantados pelo Metro Jornal com base nas estatísticas mensais divulgadas pelo governo do Estado por meio do portal Infosiga. Eles se referem às cidades de Santo André, São Bernardo e São Caetano.

É a primeira vez que os motociclistas passam os pedestres no total de mortes. Eles representam 55% do total de fatalidades. De forma geral, incluindo as demais formas de transporte, o número de vítimas cresceu nas três cidades 40%, passando de 32 em 2018 para 45 neste ano.

acidentes abc

As vias com mais casos envolvendo motos no ABC foram a avenida Guido Aliberti, em São Caetano, e a rodovia dos Imigrantes, em São Bernardo, com três mortes cada. Mas ainda se destacam negativamente a avenida dos Estados e a rodovia Índio Tibiriçá, ambas em Santo André e com dois registros.

Veja também:
Mandantes de massacre que deixou 57 presos mortos em Manaus serão transferidos para unidades federais
Mudanças no vale-transporte na capital paulista são suspensas mais uma vez

O aumento do número de mortes de motociclistas se repete também na capital. Relatório divulgado na semana passada pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) apontou que eles ultrapassaram pela primeira vez os pedestres como principais casos fatais.

Para o professor de economia da USCS (Universidade Municipal de São Caetano) e pesquisador dos acidentes de trânsito da região, Volney de Gouveia, o crescimento do serviço de entrega em domicílio via aplicativos contribui para as mortes. “O aumento do desemprego fez com que mais jovens enxergassem nas entregas uma oportunidade de renda. Mas muitos abusam da velocidade e não cumprem a lei para atender o maior número de pedidos.”

Outro ponto levantado pelo professor é a falta de leis e fiscalização mais rígida em relação aos motociclistas. “É preciso fortalecer as campanhas de conscientização e endurecer as regras sobre os motociclistas. Uma sugestão também é fazer legislação que endureça as normas para as empresas de entrega e as corresponsabilize pelas mortes destes jovens.”

As prefeituras de Santo André e São Bernardo afirmam manter campanhas educativas voltadas a redução de acidentes com motos. Entre as ações desenvolvidas pelo programa Motociclista Responsável, Santo André oferece curso de pilotagem segura. São Bernardo diz contar com blitze voltadas às motos e atividades de educação em seu Centro de Reflexão no Trânsito.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo