MMS: O produto químico corrosivo vendido como cura para autismo

Por Metro Jornal

Um suposto medicamento contra autismo vem preocupando pais e toda a sociedade médica. O chamado MMS (sigla em inglês para “solução mineral milagrosa”), uma solução de dióxido de cloro, pode oferecer diversos riscos à saúde.

Apesar de proibido pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) desde junho de 2018, o produto ainda pode ser facilmente encontrado em lojas físicas e por anúncios na internet.

A substância tem seu uso autorizado para formulação de produtos de limpeza, como alvejantes e tratamento de água, mas vem sendo divulgada como uma cura “milagrosa” para diversas doenças, entre elas o autismo.

O dióxido de cloro é classificado como um produto corrosivo e sua manipulação exige o uso de equipamento de proteção individual. Sua ingestão ou inalação trazem riscos imediatos e a longo prazo para os pacientes, principalmente às crianças, como vômitos, febre e até queimaduras graves das mucosas do esôfago e do estômago.

Além disso, ele não tem aprovação como medicamento em nenhum lugar do mundo.

Leia também:

Como denunciar

Se você vir algum anúncio deste ou de qualquer produto em situação irregular de acordo com a Anvisa, é possível denunciá-lo à agência por meio da Central de Atendimento da Anvisa (0800 642 9782) ou pela Ouvidoria.

Lembre-se de descrever as informações detalhadamente para facilitar a investigação da denúncia.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo