Motociclistas morreram mais que pedestres no trânsito de São Paulo em 2018

Por Metro Jornal

A cidade de São Paulo registrou um aumento de mortes no trânsito no ano passado. De acordo com a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), 849 pessoas morreram em 828 acidentes.

Em 2017, 797 pessoas morreram – um aumento de 6,5%. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (23) no Relatório Anual de Acidentes de Trânsito. Neste ano, o documento conta pela primeira vez com dados da Secretaria Municipal de Saúde, além da de Transporte e Mobilidade Urbana.

Pela primeira vez, o número de vítimas fatais foi maior entre motociclistas do que entre pedestres – 366 estavam em motos no momento do acidente, enquanto 311 se deslocavam à pé.

Veja também:
Prefeitura adia data de vencimento de créditos do Bilhete Único sem personalização
Polícia chilena investiga vazamento de monóxido de carbono que matou seis brasileiros em Santiago

As mortes de ciclistas caíram quase pela metade – de 37 em 2017 para 19 no ano passado. Outros 115 óbitos eram de motoristas ou passageiros de automóveis.

Segundo a CET, as quatro vias com mais acidentes fatais são de alta velocidade: as marginais Pinheiros e Tietê e as rodovias dos Bandeirantes e Raposo Tavares. Cada uma das estradas, por exemplo, teve 16 óbitos em 2018. No ano anterior, foram cinco na Bandeirantes e três na Raposo Tavares.

O relatório apontou ainda que quatro em cada dez mortes nos acidentes de trânsito ocorreram a menos de dois quilômetros da residência da vítima – foram 322 mortes, 38% do total.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo