Faixas 'Lula Livre' e acúmulo de pautas dividem opiniões em manifestações de estudantes

Por Metro Jornal

Os Estados brasileiros e o Distrito Federal sediam nesta quarta-feira (15) atos de estudantes contra o contingenciamento de verbas na educação, anunciado pelo governo federal. Quem ficou em casa, pelas redes sociais, teve a atenção chamada pela presença de faixas do movimento Lula Livre em algumas destas manifestações.

Leia mais:
Acompanhe ao vivo as manifestações dos estudantes em São Paulo

O movimento, que pede a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, defende que a prisão teve motivação política, e seria, portanto, ilegítima. Lula cumpre pena em Curitiba há um ano, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso triplex.

A acumulação de diferentes pautas – com a adesão de protestos contra a reforma da previdência, também presentes nos atos dos estudantes nesta quarta – foi criticada por alguns internautas, e chamada de "infiltrações".

Outros defenderam que a maioria dos presentes no ato são, de fato, estudantes, ou ligados à educação. Docentes e funcionários de universidades públicas e privados também compõem as manifestações.

O presidente Jair Bolsonaro, em visita aos Estados Unidos, gerou polêmica no começo do dia, ao chamar os manifestantes desta quarta-feira de "massa de manobra".

Leia mais:
Bolsonaro chama manifestantes contra cortes na educação de ‘idiotas úteis’

Nas faixas levantadas nos atos, também foram vistos dizeres contra a política de flexibilização do acesso a armas de fogo, que também têm sido posta em prática pelo governo Bolsonaro. "Menos armas" foi um pedido recorrente dos cartazes, contraposto com "mais educação", "mais livros", entre outros variantes.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo