Suécia reabre inquérito contra Julian Assange por estupro

Por Metro Jornal

O Ministério Público da Suécia reabriu nesta segunda-feira (13) uma investigação preliminar contra o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, por suspeita de estupro.

O caso havia sido arquivado devido à impossibilidade de se interrogar o australiano – que passou quase sete anos na Embaixada do Equador em Londres, no Reino Unido -, mas foi reaberto após a revogação de seu asilo e sua subsequente prisão pelas autoridades britânicas, em abril passado.

A vice-procuradora sueca Eva-Marie Persson explicou que as circunstâncias do caso "mudaram". "Depois de revisar a investigação preliminar realizada até aqui, descobri que ainda existem motivos para Julian Assange ser considerado suspeito em um provável caso de estupro", disse.

A reabertura do inquérito foi pedida pelo advogado da vítima. O fundador do WikiLeaks era acusado de ter praticado sexo sem consentimento com duas mulheres na Suécia, mas uma das denúncias prescreveu em 2015. Ele alega inocência.

Com a reabertura do inquérito, a Suécia deve entrar na briga com os Estados Unidos para obter a extradição de Assange, que também é acusado de pirataria cibernética ao divulgar documentos sigilosos diplomáticos e do Pentágono.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo