Papa Francisco torna obrigatória denúncia de abusos sexuais

Por Ansa

O papa Francisco anunciou nesta quinta-feira (9) a aprovação de um decreto em que torna obrigatório o clero denunciar suspeitas de casos de agressões e abusos sexuais às autoridades eclesiásticas. A nova regra, estabelecida via "motu proprio" "Vos estis lux mundi" (Vós sois a luz do mundo), normativa da Igreja Católica expedida pelo Pontífice, também determina que todas as dioceses do mundo criem, até junho de 2020, um sistema acessível a quem quiser fazer uma denúncia.

Além disso, as igrejas deverão garantir a proteção e assistência aos denunciantes. Para realizar este controle sobre os bispos, o Papa decidiu reforçar a figura do arcebispo, que será encarregado de recolher informação relevante sobre os fatos e realizar pesquisas e todos os inquéritos que considere adequado.

Os relatórios sobre as suspeitas deverão ser examinados em um prazo de 90 dias. No caso das denúncias envolverem cardeais, patriarcas e bispos (alta posição hierárquica), as notificações poderão ser enviadas direto para a Santa Sé.

Em entrevista à imprensa italiana, o prefeito da Congregação para os Bispos, o cardeal Marc Ouellet, destacou a importância dessa mudança. "Não só não deve haver clericalismo, nem elitismo entre nós. Nós dissemos há anos que os padres devem obedecer a certas regras estritas e por que não devem os bispos e outros na hierarquia eclesiástica fazê-lo?"

Veja também:
ONU pede autorização a governo brasileiro para investigar milícias no país
Pela primeira vez em 21 anos, Brasil sai de ranking de 25 melhores países para investir

Entre as novas regras também fica estabelecido que as igrejas locais deverão ser incentivadas a envolver especialistas em investigações de qualquer violência sexual. Os delitos sexuais considerados pelo Santo Padre são: o ato de forçar alguém, com violência, ameaça ou abuso de autoridades; o ato de cometer pedofilia ou ter relação com uma pessoa vulnerável; além de produzir, exibir, ter ou distribuir material pornográfico infantil.

De acordo com Francisco, "os crimes de abuso sexual provocam danos físicos, psicológicos e espirituais às vítimas e lesam a comunidade dos fiéis". A partir disso, o Papa orienta todos os religiosos a acolher, escutar e acompanhar as vítimas e suas famílias com assistência espiritual, médica, terapêutica e psicológica.

"Para que tais fenômenos, em todas as suas formas, não aconteçam mais, é necessária uma conversão contínua e profunda dos corações, atestada por ações concretas e eficazes que envolvam a todos na Igreja", explicou o Pontífice. Segundo Jorge Bergoglio, é preciso que "se adotem, a nível universal, procedimentos tendentes a prevenir e contrastar estes crimes que atraiçoam a confiança dos fiéis".

O líder da Igreja Católica desejou, no entanto, que o segredo da confissão seja mantido de forma absoluta, o que exclui a possibilidade de uma denúncia de fatos reportados por um fiel no confessionário. Esta é a primeira vez que o documento introduz a obrigação de clérigos e religiosos denunciarem os abusos às autoridades da Igreja Católica. O decreto com as novas normas para toda a Igreja foi publicado dois meses depois da cúpula sobre abuso sexual, a qual reuniu os chefes das conferências episcopais do mundo inteiro no Vaticano.

Nos últimos anos, a Igreja Católica enfrentou uma série de processos de pedofilia em vários países, como o Chile e a Austrália, onde religiosos de alto escalão foram condenados. Francisco, por sua vez, prometeu reforçar as leis, criar novas diretrizes dentro da cúria e fazer com que nenhuma denúncia seja ignorada.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo