Após três décadas no poder, imperador do Japão abdica do trono

Por Agência Brasil

O imperador Akihito, do Japão, deverá abdicar do trono nesta terça-feira (30), dando, assim, término a três décadas de Era Heisei. Logo em seguida, seu filho, o príncipe herdeiro Naruhito, assumirá o posto.

A cerimônia de abdicação do imperador será realizada no Palácio Imperial, em Tóquio. O premiê Shinzo Abe transmitirá gratidão ao imperador em nome do povo japonês.

Leia mais:
Líderes mundiais dividem apoio entre Guaidó e Maduro na Venezuela
Quase mil cidades podem ter surto de dengue, zika e chikungunya

Em uma rara mensagem proferida três anos atrás, Akihito expressou preocupação de que sua avançada idade possa dificultá-lo de continuar cumprindo seus deveres, e isto foi visto como um desejo de renunciar ao trono.

Mas não havia uma estrutura legal para a abdicação, e além disso, a Constituição do país proíbe que o imperador tenha quaisquer influências políticas. Mas, como muitos japoneses expressaram simpatia por ele, o parlamento aprovou uma lei especificamente para permitir que ele abdicasse.

O imperador Akihito chegou ao trono quando tinha 55 anos de idade, após a morte de seu pai. Foi o primeiro a assumir a posição seguindo a Constituição pós-guerra, que define o seu papel como o de "símbolo do Estado".

Ele viajou por todo o Japão para visitar áreas atingidas por desastres, instalações para pessoas com deficiências e locais em memória aos mortos na guerra.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo