'Assange não irá para onde tem pena de morte', diz presidente do Equador

Por Ansa

O presidente do Equador, Lenin Moreno, prometeu nesta quinta-feira (11) que o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, não será extraditado a nenhum país onde vigora a pena de morte. Em um vídeo de três minutos, o chefe de Estado também explicou que o asilo foi revogado devido às "repetidas violações às Convenções de Direito ao Asilo de Havana e Caracas".

Veja também:
Prefeitura de São Paulo aprova tombamento de três escolas e duas bibliotecas
Suspeitos de venderem armas para autor do massacre de Suzano são presos

Segundo ele, "Assange violou as normas de não intervir nos assuntos internos de outros países". "Por fim, houve uma infiltração por parte do WikiLeaks, em janeiro de 2019, em documentos do Vaticano", alegou.

Pirataria informática

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, está sendo acusado de pirataria informática pelo governo dos Estados Unidos e conspiração com Chelsea Manning, em 2010. A informação foi confirmada pelo Departamento de Estado norte-americano. Se condenado, o jornalista australiano poderia pegar até cinco anos de prisão.

As autoridades dos EUA acusam Assange de ter recebido do ex-analista de inteligência Chelsea Manning senhas de acesso aos computadores do governo para copiar material sigiloso.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo