Manifestações no país levam 'rivais' às ruas no domingo

Por Metro Jornal

No dia em que se completou um ano da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, defensores e detratores do político se reuniram em diferentes atos em diversas capitais.

O palco dos dois grupos em São Paulo no domingo (7) foi a avenida Paulista. Os que pediam “Lula livre” estavam no final da via. Aqueles que defendiam o rigor da Lava Jato, protestavam contra integrantes do STF (Supremo Tribunal Federal) e pediam que Lula ficasse preso se concentraram no meio da avenida, fechada para carros.

Houve confusões entre integrantes dos dois lados, mas sem que a PM (Polícia Militar) fosse acionada. Nem os organizadores dos dois atos nem a PM divulgaram estimativa de público.

Veja também:
Artistas se mobilizam contra cortes na cultura
Vandalismo, roubos e falta de manutenção ameaçam jardins verticais de São Paulo

Em Curitiba, uma marcha foi realizada na manhã de domingo até a sede da PF (Polícia Federal), onde Lula está preso. A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e o ex-candidato do partido à Presidência Fernando Haddad discursaram. Na Boca Maldita, de tarde, uma manifestação pediu a continuidade da prisão de Lula. O ato reuniu cerca de 800 pessoas, segundo a PM, e foi convocado como um protesto contra o STF.

Ainda houve atos pró e contra o ex-presidente Lula em Porto Alegre e no Rio.

Em Campinas, apenas manifestantes pró-Lava Jato se reuniram, pela manhã. Participaram cerca de 1.500 pessoas segundo os organizadores e 150 de acordo com a Guarda Municipal.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo