'Fragilidade da denúncia é total', garante Crivella sobre processo de impeachment

Por Metro Rio e BandNews FM

A notificação da abertura de impeachment contra o prefeito Marcelo Crivella (PRB) será enviada a ele nesta quinta-feira (4). Após receber o documento da Câmara Municipal, o político terá dez dias para apresentar a defesa por escrito. O rito do processo pode durar até três meses.

Na quarta-feira (3), no Palácio da Cidade, em Botafogo, Crivella se defendeu, disse que a denúncia é política e que o ato que motivou a abertura do processo está lastreado por pareceres técnicos e jurídicos: “A fragilidade da denúncia é total. Se votou por razões políticas, mas a razão do impeachment é um verdadeiro absurdo.”

Depois que o prefeito apresentar sua defesa, a Comissão Processante, formada por três vereadores, terá até 90 dias para analisar e emitir parecer, indicando ou não o impeachment. Esse parecer é votado em plenário. E é aprovado por maioria qualificada, ou seja, 34 dos 51 votos. O presidente da comissão, Willian Coelho (MDB), único dos três que votou a favor do processo, garante que será relatório técnico.

“Uma postura imparcial. Vamos fazer um relatório técnico e apresentar ao plenário da Câmara dos Vereadores, que é soberano”, afirmou.

Veja também:
Curto-circuito no ar-condicionado pode ter causado incêndio no Museu Nacional, diz PF
Distrito Federal tem a primeira morte por leptospirose deste ano

Na quarta, porém, a vereadora Teresa Bergher (PSDB) protocolou requerimento para que Paulo Messina (PROS), exonerado da chefia da Casa Civil para votar a favor do prefeito, saia da comissão. “É completamente inviável. Até a semana passada ele fazia parte do governo e um dos processos [da denúncia] passou por ele. Ele seria um dos convocados a depor”, justificou.

Messina nega e diz que em nenhuma etapa passou pela Casa Civil. Mas o cientista político Ricardo Ismael alerta: “Ele integrar a Comissão Processante dá margem de que, de alguma maneira, haverá um acompanhamento dos resultados dessas investigações.”

A 1a reunião da comissão, que seria hoje, foi adiada para sexta-feira (5), às 14h, por causa da morte na quarta do ex-presidente da Câmara Aloísio Freitas.

Se Crivella for afastado, com a ausência do vice, após a morte de Fernando Mac Dowell, a Câmara convoca eleições diretas. “Se for ao longo deste ano, as pessoas serão convocadas a escolher o prefeito novamente”, diz o cientista político Michael Mohallem.

Autor do pedido ainda é servidor

A votação expressiva à abertura do impeachment escancarou a debandada de vereadores da base de apoio de Crivella. Esse foi o quinto pedido de impedimento apresentado contra o prefeito.

Os dois primeiros, em julho de 2018, foram arquivados por 29 votos. A denúncia era sobre a reunião que ficou conhecida como “Fala com a Márcia”. No encontro com líderes evangélicos, o prefeito foi flagrado em vídeo oferecendo a possibilidade de os fiéis das igrejas furarem as filas de cirurgias do Sisreg, o sistema de regulação da Saúde.

Em setembro, outro pedido foi barrado com um voto a menos que o anterior. Esse se tratava do uso da máquina pública, com apoio de carros e servidores da Comlurb, para favorecer o filho de Crivella que concorria à deputado federal na última eleição.

Na semana passada, o pedido que apontava supostas irregularidades na compra de um terreno em Rio das Pedras não foi aceito pela Mesa
Diretora da Casa. Metro rio

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo