Tiroteio em escola de Suzano deixa ao menos dez mortos; crianças estão entre as vítimas

Por Metro Jornal

Ao menos oito pessoas foram mortas por dois atiradores que invadiram uma escola estadual em Suzano, na Grande São Paulo, e abriram fogo contra alunos e funcionários. Entre as vítimas estão cinco crianças e uma coordenadora, que morreram na hora.

LEIA MAIS:
Tiroteiro semelhante em escola de Goiânia foi inspirado em Columbine e Realengo em 2017
Doria decreta luto de três dias por massacre em escola de Suzano
Personalidades, políticos e artistas lamentam tragédia em escola de Suzano
Polícia divulga nome e idades dos atiradores de escola em Suzano

A dupla que abriu os disparos cometeu suicídio. Duas vítimas fatais foram socorridas com vida e levadas a hospitais da região, mas não resistiram – um estudante e outra coordenadora. Há mais nove feridos que foram encaminhados aos hospitais da cidade.

O caso ocorreu na manhã desta quarta-feira (13) na escola estadual Professor Raul Brasil, na rua Otávio Miguel da Silva, por volta das 9h30. Os estudantes estavam no horário do intervalo e a informação é de que os tiros ocorreram no pátio do colégio. Ao menos 17 pessoas estão feridas e estão internadas para hospitais da região.

A ocorrência segue em andamento e o local está cercado por viaturas da Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros, além de pais dos alunos que buscam informações sobre o estado de saúde de seus filhos. A escola estadual é frequentada por alunos dos ensinos fundamental e médio, dos 10 aos 18 anos.

O comandante da Polícia Militar, Marcelo Salles, afirmou que foram encontrados um revólver calibre .38 e um arco e flecha. Equipes do Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais) avaliam um material potencialmente explosivo encontrado na escola – mais informações serão atualizadas em breve.

Segundo testemunhas, muitos alunos fugiram no momento do ataque e foram abrigadas por casas vizinhas. Ao menos 30 disparos foram feitos e entre as informações não confirmadas estão que eles seriam ex-alunos e que um deles usaria uma máscara com desenho de caveira.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), cancelou sua agenda e foi de helicóptero ao local, onde acompanha o trabalho das autoridades. Em primeira entrevista, ele prestou solidariedade às vítimas e afirmou que, às 14h, uma coletiva esclarecerá mais detalhes da ocorrência. Estão presentes também os secretários de Educação, Rossieli Soares, de Segurança Pública, General João Camilo e o coronel Marcelo Salles, da Polícia Militar.

Ataque anterior

Antes de chegarem na escola, os dois atiradores fizeram uma vítima em uma concessionária de veículos próxima ao colégio. Segundo a porta-voz da Polícia Militar de São Paulo, Cibele Marsolla, a vítima era um homem, dono do comércio, e que seria tio de um dos homens. Seu estado de saúde não foi confirmado.

Escola Suzano Fachada da escola estadual Professor Raul Brasil em Suzano, na Grande São Paulo / Reprodução/Google Maps
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo