Investigada na Lava Jato vai comandar o Ibirapuera

Por Metro Jornal

Investigada na operação Lava Jato, a construtora Construcap venceu a licitação de concessão do parque Ibirapuera (zona sul) com uma proposta de R$ 70,5 milhões para administrar a área verde pelos próximos 35 anos. Os envelopes com as ofertas foram abertos ontem pela Prefeitura de São Paulo.

Além do Ibirapuera, o edital prevê que o vencedor assuma a gestão dos parques Lajeado (zona leste), Eucaliptos (zona sul) e Jacintho Alberto, Tenente Brigadeiro Faria Lima e Jardim Felicidade, todos na zona norte. O concessionário não poderá cobrar ingresso pela entrada do público nas áreas livres, mas poderá explorar serviços como estacionamento e alimentação, além de fazer obras de melhorias e se responsabilizar pela manutenção.

Veja também:
Gol suspende voos com tipo de avião que já caiu duas vezes
São Paulo vai decretar emergência para moradores atingidos por chuva sacarem FGTS

Nesta primeira fase, apenas as propostas foram conhecidas. Agora, a prefeitura irá analisar a documentação da empresa para concluir o processo. Na última sexta-feira, o governo fechou acordo com o Ministério Público e o vereador Gilberto Natalini (PV) prevendo que o contrato só será assinado após elaboração de um plano diretor definindo as possibilidades de uso do parque Ibirapuera – e que terá de ser seguido pelo concessionário.

A Construcap foi envolvida na Lava Jato em 2016, quando um dos seus ex-presidentes foi preso acusado de participação em esquema de cartel para fraudar contratos da Petrobras. O ex-executivo foi condenado no ano passado a cumprir 12 anos de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Por conta deste antecedente, a participação da empresa na licitação do Ibirapuera pode ser questionada na Justiça.

Em nota, a Construcap afirmou que aguarda a conclusão do processo de concessão e que “pretende entregar à população espaços públicos requalificados, com observância à legislação ambiental em vigor, preservação da fauna, da flora e da paisagem tombada pelo patrimônio histórico”.

A empresa afirmou, ainda, que “tem convicção da absolvição de seu executivo pelo tribunal recursal, assim como já aconteceu com a companhia, que foi absolvida das mesmas acusações pelo Ministério da Transparência e Controladoria-Geral”.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo