Ministério Público Estadual pede anulação da concessão do Parque Ibirapuera em São Paulo

Por Estadão Conteúdo

O Ministério Público Estadual entrou na Justiça com um pedido de suspensão e posterior anulação do processo de concessão do Parque Ibirapuera, cartão-postal da cidade, e de cinco outros parques, por parte da Prefeitura de São Paulo. A ação civil pública, de 28 de fevereiro, alega risco de danos ambientais, urbanísticos e sociais no processo. A concessão de equipamentos públicos é uma das principais bandeiras da gestão Bruno Covas (PSDB).

O prazo para a abertura dos envelopes com propostas do setor privado está prevista para a próxima segunda-feira, dia 11. Por isso, a juíza Cynthia Tomé designou para esta sexta-feira, 8, audiência para tentativa de conciliação.

Leia mais:
Governo de São Paulo anuncia hoje medidas para indústria automotiva no Estado
Masp tem entrada franca para mulheres nesta sexta

"O certame não traz primazia da proteção ao meio ambiente ecologicamente equilibrado", aponta o promotor de Meio Ambiente Carlos Henrique Prestes de Camargo, que assina o documento. Ele afirma ainda que "as obrigações ambientais da minuta do contrato estão previstas em redação genérica, grosseiramente resumidas a: 'se obriga cumprir a legislação"", o que poderia trazer incerteza e insegurança ambientais.

Para o promotor, o processo "apresenta diversas irregularidades" e "implica sérios riscos socioambientais comuns a todas as áreas, objeto das concessões, como também danos específicos a cada parque".

Camargo afirma que uma das "maiores ilegalidades" é a ausência de diretrizes mínimas de gestão pelos órgãos técnico-científicos do município, especialmente em relação ao manejo da fauna e na ausência de efetiva participação dos conselhos gestores na tomada de decisão.

Segundo Camargo, a concessão representa sério risco de danos socioambientais; ao sistema municipal de educação ambiental; à fauna, incluindo a espécies ameaçadas de extinção e em reabilitação; à vegetação e ao tombamento do parque.

A manifestação do MPE endossa uma ação popular liderada pelo vereador Gilberto Natalini (PV), que também solicitou a suspensão do processo. Natalini chefiou a pasta do Verde e do Meio Ambiente quando João Doria (PSDB), atual governador, era prefeito.

O município publicou em 8 de janeiro o edital do projeto de concessão do Ibirapuera. Pelo texto, a empresa – ou o consórcio – que vencer a licitação terá de assumir também os Parques Jacintho Alberto, Eucaliptos, Tenente Brigadeiro Faria, Lageado e Jardim Felicidade e poderá explorar o Ibirapuera pelo prazo de 35 anos.

O preço mínimo é de R$ 2,1 milhões por mês. Mas, na ocasião, a Prefeitura disse que o mais interessante da proposta é não ter mais de arcar com custos dos parques, transferindo esses recursos para outras ações. A estimativa é de economia de R$ 1 bilhão nesse prazo.

Prefeitura

Em nota, a gestão Bruno Covas afirmou que "os fatos relatados não correspondem à realidade". Ressaltou ainda a realização da audiência de conciliação nesta sexta-feira. A capital paulista tem 107 parques municipais.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo