Cardeal francês é condenado a prisão por esconder casos de pedofilia

Por Ansa

O arcebispo de Lyon e cardeal Philippe Barbarin foi condenado a seis meses de prisão por não ter denunciado casos de abusos sexuais cometidos por sacerdotes nos anos 70 e 80 na França. A sentença, isenta de cumprimento, foi determinada hoje (7) pelo Tribunal Correcional de Lyon, no centro da França. O caso se refere a abusos cometidos pelo padre Bernard Preynat nos anos 70 e 80 contra menores de idade.

No entanto, Barbarin teria se omitido em 2014 e 2015, quando uma das vítimas o procurou para relatar os abusos. O processo foi aberto pela associação de vítimas "La Parole Liberée", que acusa Barbarin de ter acobertado Preynat. Horas após a condenação, ele renunciou oficialmente de seu cargo.

Veja também:
Leia nota da Presidência da República sobre vídeo obsceno publicado por Jair Bolsonaro
Invasão à casa de PM em São Paulo termina em perseguição

O episódio já virou filme na França, intitulado "Grace à Dieu", do cineasta Francois Ozon, que estreou nos cinemas do país há poucos dias.

Conhecido como "Primate des Gaules", Barbarin, de 68 anos, é uma das personalidade eclesiásticas mais importantes e influentes da França. Ele também é a maior autoridade da Igreja Católica processada no país por casos de pedofilia. A defesa do arcebispo pretende recorrer da decisão. "A motivação do tribunal não me convence. Contestaremos esta sentença com todos os meios disponíveis na justiça", disse o advogado Jean-Félix Luciani.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo