Twitter nega que vídeo polêmico de Bolsonaro viole regras da rede social

Por Estadão Conteúdo

O vídeo escatológico e pornográfico publicado pelo presidente Jair Bolsonaro na noite desta terça-feira, 5, em sua conta no Twitter, não viola a política de conteúdo de mídia da rede social. Segundo o próprio site, o Twitter permite algumas formas de violência explícita e/ou conteúdo adulto nas postagens que forem marcadas como mídia "sensível", como foi o caso da publicação de Bolsonaro.

A regra só seria violada caso o conteúdo fosse publicado em vídeos ao vivo, na imagem de capa ou do perfil do presidente. Consultado, o Twitter disse que "eventuais violações estão sujeitas às medidas cabíveis".

Veja também:
Morre menino de 3 anos vítima de incêndio após ser deixado sozinho em casa pelos pais
VÍDEO: Folião cai cinco metros da escada rolante do metrô

A indicação de que a postagem pode conter "mídia sensível" pode ser colocada pelo próprio Twitter ou pela sinalização dos usuários da rede. Além disso, a reprodução automática do conteúdo pode ser bloqueada nas configurações de segurança do perfil de cada um.

Os usuários da rede social estão divididos nesta quarta-feira, 6, sobre a publicação feita pelo presidente da República. Há pedidos de impeachment e demonstrações de apoio. A hashtag #ImpeachmentBolsonaro lidera os tópicos mais comentados no Twitter, seguida pela #BolsonaroTemRazão. Também aparecem no ranking #goldenshowerpresident e #VergonhaDessePresidente.

O vídeo publicado por Bolsonaro não traz identificação de onde ocorreu a gravação e mostra um homem urinando na cabeça de outro, entre outras imagens obscenas. "É isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro", escreveu o presidente.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo