Após cinco dias no hospital, morre indígena venezuelano ferido no confronto de Pacaraima

Por Estadão Conteúdo

Um indígena venezuelano, ferido com arma de fogo em um violento confronto com a Guarda Nacional Boliviariana (GNB) perto da fronteira, na sexta-feira, 22, morreu na noite desta quarta-feira, 27, no Brasil, informaram autoridades locais.

Kliver Alfredo Pérez Rivero, de 24 anos, indígena pemón da comunidade Kumaracapay, no sul da Venezuela, estava desde sexta na unidade de cuidados intensivos do Hospital Geral de Roraima após ficar gravemente ferido no incidente.

Leia mais:
Universidades federais criam comissões para evitar fraudes em cotas
Trens que colidiram no Rio ainda não foram retirados dos trilhos

Segundo o comunicado da Secretaria Estadual de Saúde de Roraima, divulgado na noite de quarta, Pérez Rivero foi o primeiro ferido nos conflitos na Venezuela a morrer depois de receber atendimento no Estado, situado na fronteira com a Venezuela.

Ele "teve lesão no tórax provocada por arma de fogo e no abdômen, com múltiplas lesões no fígado e no intestino. A causa da morte foi falência de múltiplos órgãos", especificou a nota.

Desde sexta-feira, mais de 20 venezuelanos feridos na região de fronteira forma levados para hospitais públicos de Roraima. O governo estuda negociar leitos privados para resolver o problema de superlotação dos hospitais, diz matéria da GloboNews.

Guaidó no Brasil

O líder opositor venezuelano, Juan Guaidó, se reunirá na manhã desta quinta-feira com embaixadores de países que o reconhecem como presidente interino na sede da delegação da União Europeia em Brasília. Pela tarde, ele se encontrará com o presidente Jair Bolsonaro e com o chanceler Ernesto Araújo.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo