Bolsonaro sugere relação entre o PCC e o atentado a faca que sofreu

Por Metro Jornal

Em uma sessão com jornalistas selecionados pelo Planalto nesta quinta-feira (28), o presidente Jair Bolsonaro disse ter acesso a áudios que mostram interesse do Primeiro Comando Capital (PCC) no atentado a faca sofrido por ele em 2018.

O presidente afirmou que os áudios foram obtidos por setores de Inteligência do governo, e deixavam claro um interesse da facção criminosa no atentado, e que o PCC não desejava que Bolsonaro vencesse as eleições.

LEIA MAIS:
Bolsonaro chama Guaidó de ‘irmão’ e promete ‘não poupar esforços’ para ajudar a Venezuela

Bolsonaro não afirmou explicitamente que o PCC é o responsável pelo caso, e também disse não poder dar mais detalhes.

Contatado pelo site UOL, Lincoln Garcia, que investiga a facção, disse não ter conhecimento de nenhuma ligação do grupo com o atentado sofrido pelo político.

Bolsonaro e o Ministro da Justiça, Sérgio Moro, tiveram uma reunião nesta semana com delegados para tratar das investigações sobre o caso. A hipótese atualmente em vigor para a Polícia Federal é que o autor do atentado, Adélio Bispo, tenha agido sozinho.

Bispo, em depoimentos anteriores, afirmou ter dado a facada em Bolsonaro por "se sentir ameaçado" pelo "discurso de ódio" do então candidato. A Polícia classificou sua motivação como "indubitavelmente política", mas também religiosa.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo