Polícia Civil bloqueia R$ 5 milhões em bens da principal milícia do Rio

Por Metro Rio

Cerca de R$ 5 milhões em bens de integrantes da principal milícia do Rio de Janeiro, a Liga da Justiça, foram bloqueados pela Justiça. A medida, segundo a Polícia Civil, é uma forma de enfraquecer a ação criminosa. Os líderes do grupo, que estão foragidos, entre eles, Wellington da Silva Braga, o Ecko, foram alvos ontem da Operação Volante, que cumpriu 20 mandados de prisão. Um homem foi preso. Outros 10 já estavam detidos – entre eles, dois PMs que se entregaram nesta semana – e um está foragido.

Quatro imóveis de luxo na zona oeste e na Baixada Fluminense, avaliados entre R$ 850 mil e R$ 1,5 milhão, estão entre os bens bloqueados. Em um deles morava Luiz Antônio da Silva Braga, o Zinho, irmão de Ecko. Ele, que está foragido, é apontado como articulador financeiro da organização criminosa. No local, foram encontrados relógios, joias e R$ 125 mil em espécie.

Leia mais:
Oito funcionários da Vale são presos pelo rompimento da barragem de Brumadinho
Parentes acusam policiais militares por morte de criança de 11 anos

“Percebemos que as prisões por si só não têm um resultado efetivo e precisávamos mudar a cultura, apreender também os bens adquiridos com as extorsões. Eles tendem a dominar territórios. Combatendo o enriquecimento, atingimos a quadrilha”, afirma o delegado Fábio Barucke, subsecretário operacional da Polícia Civil.

Segundo o delegado, haverá uma decisão judicial sobre quando os bens irão a leilão.

Os investigadores também descobriram que o grupo pretendia expandir os domínios para outras regiões do estado.

As investigações continuam para encontrar todos os suspeitos. metro rio

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo