Trabalho de resgate em Brumadinho ficará mais difícil, diz tenente Aihara; são 110 mortos

Por Metro Jornal

As buscas por vítimas da tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais, chegou ao sétimo dia nesta quinta-feira (31). Até o momento, foram encontrados 110 corpos, sendo que 71 deles foram identificados. De acordo com o delegado Arlen Bahia, da Polícia Civil de Minas Gerais, 60 deles já foram entregues aos familiares e 11 ainda aguardam liberação no IML (Instituto Médico Legal).

Outras 238 pessoas seguem desaparecidas e 394 foram localizadas.

Leia mais:
Bolsonaro faz despachos de quarto em hospital; presidente apresenta boa evolução
Toffoli e Dodge criam observatório para para acelerar processos de casos Mariana, Brumadinho e boate Kiss

O tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros, afirmou que os trabalhos de resgate devem ficar mais complicados. "A maioria dos corpos já localizados estava em regiões superficiais. Agora a busca depende de escavação e estabilização do solo, o que deve tornar mais lento o trabalho", afirmou. As equipes retomam a operação a partir das 4h desta sexta-feira (1º).

Já o número de desabrigados caiu para 108. Segundo o coordenador-adjunto da Defesa Civil do Estado, Flávio Godinho, alguns moradores da cidade voltaram para suas casas. Ele alertou sobre o fornecimento de água na região. "Nenhuma comunidade, bairro ou cidade que recebe água de concessionária vai ficar sem água. A única ressalva são para pessoas que fazem a captação de forma autônoma. Os ribeirinhos não podem consumir a água. 50 caminhões pipa com 20 mil litros de água potável estão sendo distribuídos as famílias que fazem a captação autônoma", disse.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo