Mortes batem recorde no país

Por Metro Jornal Brasília

A linha que traça o número de homicídios no Brasil bateu o seu recorde com 63.880 casos em 2017. O dado foi apresentado pela 29ª edição do Relatório Mundial de Direitos Humanos, publicado nesta quinta-feira pela ONG internacional HRW (Human Rights Watch).

O documento faz uma análise da situação dos direitos humanos em mais de cem países. No capítulo dedicado ao Brasil, logo no primeiro parágrafo, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) é definido como alguém que “endossou a prática de tortura e outros abusos e fez declarações abertamente racistas, homofóbicas e misóginas”.

O diretor-executivo da entidade, Kenneth Roth, afirmou que os populistas que espalham ódio e intolerância em vários países estão criando resistências e ressaltou a importância de defender os direitos humanos, mesmo “em tempos tão sombrios”.

Superlotação

Pesquisas da HRW mostram que muitos dos assassinatos cometidos por policiais são execuções extrajudiciais. Fato que, segundo o relatório, coloca as comunidades contra a polícia, alimentando a onda de violência.

Outro ponto levantado é a urgência de reduzir o número de detentos provisórios. “A superlotação e a falta de pessoal tornam impossível que as autoridades prisionais mantenham o controle de muitas prisões, deixando os presos vulneráveis à violência e ao recrutamento por facções”, diz o documento.

Apoio enxuto

O relatório indica que a rede de proteção à mulher enfraqueceu. Dados revelam que o número de centros especializados de apoio às mulheres caíram, em 2017, para 241 – 15 a menos que 2016. No mesmo período, 7 de delegacias da mulher foram fechadas.

Demora

Na aba dedicada aos migrantes, o texto afirma que o governo tem demorado para integrar os mais de 5 mil venezuelanos à sociedade brasileira. “A maioria das crianças em abrigos não frequenta a escola e muitos ainda não têm documentos”, critica o relatório.   

cenário violência brasil Arte / Metro Jornal
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo