Ex-advogado de Trump confessa ter pago milhões para pesquisas favorecerem atual presidente

Por Reuters

Michael Cohen, que foi advogado pessoal do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira que pagou uma empresa para manipular dados de pesquisas online “na direção de e em benefício único de Trump”.

O Wall Street Journal noticiou que Cohen pagou à empresa de dados REdFinch Solutions para manipular duas pesquisas de opinião pública em favor de Trump, antes da campanha presidencial de 2016.

“Sobre o artigo do @do WSJ sobre a manipulação de pesquisa”, escreveu Cohen no Twitter nesta quinta, “o que fiz foi na direção de e em benefício único de @realDonaldTrump @POTUS. Eu me arrependo de verdade pela lealdade cega a um homem que não merece.”

LEIA MAIS:
Príncipe Philip, marido de Elizabeth II, sofre acidente de carro

As tentativas de distorcer as pesquisas acabaram por se mostrar malsucedidas, mas servem para revelar as táticas da campanha de Trump e qual foi o papel de Cohen. Durante a campanha, Trump fez referência frequente a seu desempenho em pesquisas para impulsionar sua candidatura.

Cohen foi condenado no mês passado a três anos de prisão por ter feito pagamentos ilegais a mulheres em benefício da campanha de Trump, e também por mentir ao Congresso sobre o projeto de uma Trump Tower na Rússia.

Michael Cohen, ex-advogado pessoal de Donald Trump Cohen foi advogado de Trump por mais de 10 anos / B.McDermid/Reuters

Cohen alega que Trump o orientou a cometer as violações de campanha, o que Trump nega.

O WSJ disse que Cohen contratou John Gauger, responsável pela RedFinch Solutions, para escrever um script de computador com o objetivo de votar repetidas vezes em Trump em uma pesquisa da Drudge Report, feita em 2015, sobre possíveis candidatos presidenciais republicanos. A manobra ocorreu quando Trump se preparava para entrar na corrida presidencial de 2016, segundo o jornal.

Trump ficou em quinto na pesquisa da Drudge Report, com cerca de 24 mil votos, ou 5 por cento do total, de acordo com o WSJ.

LEIA MAIS:
Em pesquisa, 40% avaliam governo Bolsonaro como ‘bom’ ou ‘ótimo’, e 20% como ‘ruim’ ou ‘péssimo’

Cohen também contratou Gauger para o mesmo serviço em 2014, quando a rede CNBC fez uma pesquisa online sobre os principais líderes empresariais dos EUA, embora Trump não tenha conseguido ficar entre os 100 primeiros colocados, disse o jornal.

“O presidente não tem conhecimento sobre a manipulação das pesquisas”, disse Rudy Giuliani, atual advogado de Trump, em entrevista à Reuters.

Trump tuitou sobre a pesquisa da CNBC em 2014, a qual chamou de “piada” e sugeriu ter ficado fora da lista final por questões “políticas”.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo