Aplicativos de GPS terão que informar sobre áreas de risco no Rio de Janeiro; entenda

Por Band

Os motoristas do Rio de Janeiro aprovaram a lei, sancionada pelo prefeito Marcelo Crivella (PRB), que exige que aplicativos como Waze e Google Maps alertem usuários em caso de proximidade de áreas de risco. A medida entra em vigor em 90 dias.

Segundo a nova lei, os alertas devem ter como base informações da Secretaria de Segurança. A determinação também prevê a divulgação de regiões que sofram com conflitos armados e incursões policiais permanentes.

Leia mais:
Caminhoneiro atropela e mata ladrão em tentativa de assalto na zona oeste
Prato feito pode ser 30% mais calórico que lanche de fast food, diz pesquisa

Um dos criadores do app OTT (Onde Tem Tiroteio), Marcos Vinícius Baptista diz que já foi procurado por uma das empresas que fornecem o serviço de GPS em busca de parceria, mas nada se concretizou: “Nem sempre o caminho mais curto é o melhor. Se sabemos que naquele ali há incidência de arrastão, é óbvio que você irá por outro.”

Para o servidor público Ricardo Lima, a nova lei vai facilitar a vida do motorista. “Principalmente os não residentes no Rio”, acredita.

Não são raros os casos de pessoas baleadas após entrar, por engano, em comunidades dominadas pelo crime organizado. Na última terça-feira, dois PMs foram alvejados ao acessar uma das entradas da favela Jardim Novo, em Realengo, na zona oeste, por indicação do GPS.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo