Juíza diz que João de Deus não precisa de atendimento médico especial

Por BandNews FM

Em resposta ao pedido de habeas corpus feito pela defesa de João de Deus, a juíza Marli de Fátima Naves afirmou ao Supremo Tribunal Federal que não há necessidade do médium receber atendimento cardiológico especializado até a presente data.

Os advogados do religioso fizeram esse pedido após o médium passar mal no Núcleo de Custódia de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital de Goiás, onde está preso acusado de assédio sexual.

Na última quarta-feira (2), ele teve sangramento na urina e foi encaminhado para uma Unidade de Pronto Atendimento, de onde foi transferido para o Hospital de Urgências de Goiânia para exames mais detalhados.

Por isso, a defesa de João de Deus tinha solicitado a transferência dele da cadeia para um hospital, justamente para tratar problemas no coração.

Leia mais:
Assustada com queima de fogos, cachorra cai em bueiro e fica presa em tubulação
Incêndio fecha 15 estações de BRT na zona oeste do Rio

No entanto, como a unidade de saúde não viu motivos para uma internação, ele teve alta e foi levado de volta ao presídio.

No ofício, a magistrada afirmou que João de Deus "recebeu a visita de quatro advogados e não apresentou nenhuma queixa".

Além disso, disse também que todas as informações e documentos sobre o estado de saúde do médium serão enviados ao Tribunal de Justiça do Estado de Goiás e ao Superior Tribunal de Justiça.

Agora, o ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo, vai analisar o pedido de habeas corpus.

João de Deus está preso desde o mês passado após o Ministério Público ter denunciado o médium por violação sexual mediante fraude e estupro de vulnerável.

A Casa Dom Inácio de Loyola, local de atendimentos do religioso, segue funcionando, mas registrou queda de pelo menos 50% no movimento.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo