'Reforma da Previdência Municipal é justa e necessária', diz Bruno Covas durante sanção do projeto

Por Rádio Bandeirantes

O prefeito de São Paulo classifica como justa e necessária a reforma da Previdência Municipal e avisa que não vai retroceder.

Prioridade da gestão, o projeto aprovado pela Câmara dos Vereadores aumenta a alíquota de contribuição de 11% para 14%.

Outro ponto polêmico é a criação de um sistema complementar para ganhos de servidores acima do teto do INSS, que é de R$ 5,6 mil.

Bruno Covas diz que, se o funcionalismo cumprir a ameaça de entrar em greve, a prefeitura vai apostar no diálogo para evitar prejuízos à população.

O projeto foi sancionado na manhã desta quinta-feira (27).

Durante a solenidade, o prefeito explicou que a economia de R$ 370 milhões esperada com a reforma não necessariamente vai representar mais investimentos.

Aumento da passagem?
Além da Previdência Municipal, outro item que tem bastante impacto no orçamento da capital é a passagem de ônibus.

O valor do reajuste ainda não está definido: o certo, de acordo com Bruno Covas, é que parte dos custos continuará sendo bancada pela prefeitura.

O sistema custa R$ 8 bilhões por ano e, desse total, R$ 3 bilhões são subsidiados pela prefeitura.

LEIA MAIS:
Quase 3 milhões de veículos vão pegar a estrada no Ano Novo; saiba qual melhor horário para viajar
Viatura da GCM é apedrejada na Cracolândia por usuários de drogas

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo