MP pede cassação da chapa do prefeito José Auricchio Júnior, de São Caetano

Por Cadu Proieti - Metro Jornal ABC

O promotor Newton José de Oliveira Dantas apresentou à Justiça Eleitoral as alegações finais dele sobre processo que apura uso de caixa 2 na campanha que elegeu José Auricchio Júnior (PSDB) prefeito de São Caetano em 2016. O integrante do Ministério Público pede a cassação do mandato e da diplomação do chefe do Executivo e do vice dele, Beto Vidoski (PSDB), pelo recebimento de doações ilegais.

A reportagem procurou o promotor para dar mais detalhes sobre o parecer, mas não conseguiu contato com ele. A assessoria do Ministério Público de São Paulo informou que não pode divulgar detalhes da ação porque a mesma corre em segredo de Justiça.

Segundo a promotoria, a chapa de Auricchio utilizou diversas pessoas físicas para disfarçar a origem dos recursos de empresas que financiaram a campanha, o que era proibido. O MPE estima que 54% do arrecadado para pelo tucano em 2016 teve origem de doações “dissimuladas”, o que, segundo o órgão, coloca em xeque a legitimidade da disputa na cidade.

Leia mais:
Secretário de Transportes de Osasco, Osvaldo Vergínio, é assassinado a tiros
Pouso de emergência interrompe operação do Aeroporto Internacional de Belo Horizonte

Entre os “laranjas”, constariam pessoa sem nenhuma condição econômica de realizar doações milionárias, além de outra hospitalizada, que efetuaram transferências ao partido e à campanha eleitoral, diz a apuração do MPE.

A principal conta bancária utilizada foi de uma mulher com condição financeira limitada e pensionista do INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social), que teria movimentado cerca de R$ 1,4 milhão para abastecer direta ou indiretamente a chapa do tucano.

Trata-se da mesma pessoa que aparece como doadora da campanha do vereador da capital Camilo Cristófaro (PSB), que teve o mandato cassado no início deste por captação ilícita de recursos.

O caso agora segue para manifestação da defesa e decisão do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo). “O Ministério Público abriu mão de produzir provas no Judiciário e se antecipou para apresentar alegações finais baseadas em provas produzidas em seu gabinete. Em seu tempo e respeitando as determinações do juiz, a defesa também deverá apresentar suas alegações finais”, diz nota divulgada pelo advogado de Auricchio, Ricardo Penteado.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo