Prefeitura de São Paulo vai proibir circulação de caminhões de carga de passagem pela cidade

Por Rádio Bandeirantes

A prefeitura de São Paulo vai proibir a circulação de caminhões de cargas que usam a cidade como rota de passagem.

Antecipada pela reportagem da Rádio Bandeirantes, a medida passará a valer quando o trecho Norte do Rodoanel for concluído – o que ainda não tem data prevista.

De acordo com o projeto, o motorista que não cumprir a regra terá que pagar uma taxa.

Esse tipo de veículo circula pela capital apenas como parte do trajeto para a entrega de cargas em outras cidades.

Segundo o Secretário Municipal de Transportes, João Otaviano, é um tráfego que sobrecarrega o trânsito e deteriora a malha viária. “É a carga de passagem. Essa é indesejável. Acaba saturando o sistema, gerando um desgaste no nosso sistema viário e não tem nenhuma contribuição na cidade”, disse.

A ideia é o principal ponto do primeiro “Plano Diretor de Cargas de São Paulo”, que demorou 8 meses para ser elaborado.

Leia mais:
Ônibus intermunicipais do ABC tomam uma multa por hora
Mudança de pátio em Santo André vai deixar apreensão de veículos mais cara

O controle será feito pela integração de um sistema tecnológico da prefeitura com programas de identificação de cargas já existentes.

Outra medida prevista no plano é a entrega noturna, que deve desafogar o trânsito e facilitar a logística de empresas de transportes, afirma o secretário.

Segundo João Octaviano, um projeto piloto já foi testado na Vila Leopoldina, na zona oeste, com resultado positivo.

Atualmente, algumas redes de supermercados e drogarias já realizam por conta própria a distribuição de mercadorias durante a madrugada.

O “Plano Diretor de Cargas” também cria rotas únicas para o transporte de cargas especiais, como produtos perigosos.

Outro ponto é o estímulo à criação de terminais logísticos próximos a áreas comerciais para concentrar a entrega de mercadorias num só local.

As medidas começam a valer a partir da publicação de portarias pelo DSV, sem a necessidade de aprovação pela Câmara Municipal.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo