São Paulo ganha ônibus elétricos movidos a bateria

Por Metro Jornal

A Prefeitura de São Paulo apresentou, na tarde desta segunda-feira (10), três dos 15 ônibus elétricos que vão circular pela capital paulista a partir de março do ano que vem.

Os coletivos são da linha 6030/10 Unisa-Campus1/Terminal Santo Amaro. Segundo a gestão municipal, eles são 100% elétricos e movidos a bateria. Têm ainda espaço para 81 passageiros sentados, Wi-Fi, USB e ar-condicionado.

"Esses novos ônibus têm energia limpa e também não produzirão barulho. Isso é um benefício para a população e para a cidade", disse o prefeito Bruno Covas.

Inicialmente, apenas os três veículos apresentados vão rodar. Os demais entrarão no sistema de forma gradativa.

A ideia é que os veículos, que custam R$ 1,4 milhão cada um, colaborarem para reduzir a emissão de poluentes na cidade.

Leia mais:
Força-tarefa em SP investiga denúncias de abuso sexual de João de Deus
Chamou! Henrique Meirelles aceita convite de Doria e será secretário da Fazenda de SP

A escolha da linha
A prefeitura considerou, no momento de definir a linha pioneira, o custo para disponibilização da energia elétrica no local de abastecimento, o percurso, a quilometragem diária por veículo, o número de passageiros transportados, a frota, a distância entre a garagem e o ramal elétrico.

A polêmica Lei de Mudanças Climáticas
A cidade de São Paulo tinha até o final deste ano para substituir todos os ônibus movidos com combustível fóssil, conforme a Lei 14.933, de 2009.

Como a lei não foi cumprida, a Câmara dos Vereadores protocolou, no ano passado, um projeto de lei para alterar esse prazo. Depois de muitos debates, o então prefeito João Doria sancionou, em janeiro de 2018, a lei que estipulou um novo cronograma para a redução de poluentes pelos ônibus.

O novo prazo considera o tipo de poluente, e sua redução precisa ser feita em 10 e 20 anos.

Em 10 anos, as reduções de gás carbônico devem ser de 50%, com 100% de redução em 20 anos. Já as reduções de materiais particulados devem ser 90% em 10 anos; em 20 anos, 95% tem que ser sido reduzida. As emissões de Óxidos de Nitrogênio devem ser de 80% em 10 anos e 95% em 20 anos.

As metas estarão nos editais de licitação do transporte público.

De acordo com a gestão Covas, a frota da cidade conta hoje com 14.351 ônibus; desses, 62% estão equipados com motor EURO V, que reduz emissão de poluentes.

onibus eletrico Divulgação/SECOM

Com informações do Diário do Transporte.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo