Operação mira senadores e deputados federais, incluindo Aécio Neves e Paulinho da Força

Por Metro Jornal

O senador Aécio Neves (PSDB), sua irmã, Andréa Neves, e outros políticos são alvos de uma ação da PF (Polícia Federal) e do Ministério Público Federal na manhã desta terça-feira (11). A operação Ross, desdobramento da Lava Jato, cumpre 24 mandados de busca e apreensão em imóveis e escritórios relacionados aos seguintes nomes:

  • Aécio Neves (PSDB), senador e deputado federal eleito;
  • Agripino Maia (DEM), senador;
  • Andréa Neves, irmã de Aécio;
  • Antonio Anastasia (PSDB-MG), senador;
  • Benito da Gama (PTB), deputado federal;
  • Cristiane Brasil (PTB), deputada federal;
  • Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, deputado federal e presidente nacional do partido Solidariedade.

No Rio de Janeiro, agentes estão bo apartamento de luxo dos irmãos Neves na avenida Vieira Souto e em outro imóvel em Copacabana, ambos na zona sul do Rio de Janeiro. A operação foi autorizada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) baseada em delações dos executivos Joesley Batista e Ricardo Saud, do grupo J&F.

Leia mais:
MP-GO recebe 40 denúncias contra João de Deus em 1 dia
Prefeitura sabia de falhas em viaduto que cedeu desde 2012

De acordo com a PF, os alvos são acusados de receber vantagens indevidas por parte de três senadores da República e três deputados federais. Os valores investigados ultrapassam os R$ 100 milhões. Os acusados serão intimadas e interrogadas, e podem responder por crimes de corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Os pagamentos, feitos pelo grupo J&F, teriam sido feito pela emissão de notas frias. A PF acredita que parte do dinheiro foi usado na campanha presidencial de Aécio Neves em 2014. A defesa do senador afirmou que o político está a disposição para esclarecimentos e que as contribuições eleitorais feitas à campanha do PSDB em 2014 foram devidamente registradas na Justiça Eleitoral.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo